A impotência sexual do belo Antonio

Com direção de Mauro Bolognini e roteiro de Pasolini, filme traz ainda o talento de Mastroianni

O Estado de S.Paulo

31 de maio de 2008 | 21h43

A parceria entre Mauro Bolognini (direção) e Pier Paolo Pasolini (roteiro) rendeu títulos importantes como Os Namoros de Marisa, Um Dia de Enlouquecer, A Longa Noite de Loucuras e, talvez, o mais famoso, O Belo Antonio, que a Silver Screen acaba de lançar em DVD. Não se trata da melhor direção de Bolognini, mas de maior repercussão por tratar, em 1960, de um tema tabu: a impotência sexual. Inspirado no romance de Vitaliano Brancati, trata-se da história do belo e vistoso Antonio, que encanta as mulheres, apaixonadas porque imaginam que ele seja o "amante ideal", mas na realidade Antonio é impotente. Ele se casa com Bárbara, uma jovem rica, que só descobre a verdade após o casamento. O filme é recheado de imagens criativas, como a tradição siciliana que obriga o marido a colocar na janela os lençóis da noite de núpcias para provar que cumpriu com seu dever. Com a demora de Antonio, as especulações sobre sua masculinidade começam a aumentar. O tom é tragicômico, magnificamente interpretado por Marcello Mastroianni e Claudia Cardinale nos papéis principais.Curiosamente, a presença de Mastroianni causa uma certa desconfiança em relação a Antonio por ter o ator construído uma carreira baseada na fama de latin lover, ou seja, alguém que dificilmente falharia. Na verdade, apenas comprova sua versatilidade como ator. E o mérito do filme não está apenas no roteiro agridoce de Pasolini, mas na direção de Bolognini. Ele foi mais que um artesão, um autor atraído por temas como a impotência do homem e a mistificação da mulher.

Tudo o que sabemos sobre:
belo antoniodvdmastroiani

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.