A importância da influência paterna

Em As Leis de Família, pai e filho descobrem a importância da troca de papéis ao longo da vida

Ubiratan Brasil, O Estado de S.Paulo

03 Fevereiro 2008 | 00h10

A excelência do cinema argentino já não é novidade entre os cinéfilos brasileiros, acostumados a nomes como os de Daniel Burman e Daniel Hendler, diretor e ator, respectivamente, de As Leis de Família, que a Imovision lança nesta semana. Trata-se de uma sensível e intimista história de um pai e um filho compreendendo o intercâmbio de seus papéis. Ariel Perelman (Hendler) é advogado como o pai, mas não está muito certo do que fará de seu futuro. Conhece cada detalhe dos gostos e dos hábitos profissionais paternos, no entanto Ariel quer ser diferente, não quer seguir seus passos, traçados desde cedo. Com o nascimento do primeiro filho, Ariel terá que decidir o rumo de sua vida. E, na busca de sua identidade, ele percebe a influência cada vez mais importante de seu pai. As Leis de Família faz parte de uma seqüência dirigida por Burman, iniciada por O Abraço Partido, ganhador de dois prêmios no Festival de Berlim. Sela também uma seqüência de trabalhos da dupla, que trata de relações humanas com simplicidade e muito carinho. A se lamentar apenas a ausência de extras interessantes, que se limitam ao trailer do filme e novos lançamentos da Imovision.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.