A Ilha da Fantasia é aula de sadismo

Ano-novo com chuva. Fazer o quê? Assistir à séries em DVD! Ganhei a primeira temporada de Ilha da Fantasia, uma paixão de infância, confesso. Achava lindo ver aqueles magnatas chegando à ilha naquele avião que pousa na água - acabo de saber que o nome correto é hidroavião -, sendo recebidos por havaianas e drinques coloridos e depois recepcionados por Ricardo Montalban e o anão Tattoo... Mas levei um choque ao perceber como eu era uma criança ingênua! O Mr. Roarke, de Montalban, é um sádico! Ele realiza, sim, os sonhos das pessoas, mas do jeito que ele bem entende! Em quase todos os episódios, sempre tem alguém que quase morre por causa das brincadeirinhas de Mr. Roarke, sempre apoiado por Tattoo. Eu a-do-ra-va Tattoo e, anos mais tarde, quando soube da história do ator Hervé Villechaize, morri de tristeza. Ele era um herói de infância e se matou depois de ser demitido, perder a mulher, sofrer de alcoolismo... Tadinho! Outra experiência incrível foi rever a segunda temporada de Twin Peaks e ver tantos rostos conhecidos. O melhor foi David Duchovny. Alguém se lembra dele na série de David Lynch? Quando vi o tal agente Dennis Bryson chegar travestido - ele vira Denise Bryson -, sabia que conhecia aquele olhar, o nariz... Era Duchovny! gente, Hank Moody foi travesti em Twin Peaks! Em outro episódio, uma garotinha ruiva toca piano para Leland Palmer (Ray Wise). Quem é? Alicia Witt, de Law & Order: Criminal Intent!Em My Boys, PJ está com a corda toda. Vingancinha divertida para ela é ficar mesmo com o irmão do Bobby! Quem mandou ele marcar casório com a babá sueca? Boa, PJ!

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.