'A Clara é uma excelente atriz'

Mariana Ximenes conta que nem sempre entende as atitudes de sua personagem, mas adora esse jogo

Patrícia Villalba,

21 de agosto de 2010 | 16h00

Sem medo. "É uma personagem que tem muitas facetas e isso é muito instigante"

 

 

 

 

Clara, de Passione, é a primeira vilã de Mariana Ximenes na carreira que ela começou aos 13 anos de idade. Depois de nove novelas, duas minisséries, 12 filmes e muita disciplina, ela parece à vontade no set de gravação, mas a experiência não a fará decifrar com mais facilidade a imprevisível personagem criada por Silvio de Abreu. Deve ser por isso que a schifosa parece tão sincera quando finge que é boa. "Como não sei para onde o Silvio vai levá-la, interpreto com verdade quando ela está fingindo. Então, se ela é boa, faço a boa de verdade", tenta explicar. "Brinco que ela é uma excelente atriz."

 

 

No ar há três meses, já está confortável como Clara?

É uma personagem que tem muitas facetas e isso é muito instigante, mas muito trabalhoso também. Ela passa por boa, singela, ingênua, depois é perversa, sensual, afetuosa com a irmã... É uma personagem que dá muitas possibilidades para uma atriz. Encontrar a personagem não foi fácil, porque tem registros que eu nunca tinha acionado, como o linguajar bagaceiro, o despudor com o corpo... Foi um processo bem difícil.

 

 

É, então, sua personagem mais complexa?

Não, a Lara (de A Favorita) era bem complexa, a Ana Francisca (de Chocolate com Pimenta), também. Mas acho que é uma personagem que me proporcionou registros que eu não tinha tido ainda. É uma vilã, né... Nunca tive uma vilã desse porte.

 

 

Acha que ela é totalmente dissimulada ou às vezes é ingênua?

Ela é mais inconsequente do que ingênua. Ela é manipuladora, quer dinheiro, poder. Por outro lado, ela tem certas atitudes. Na cena do incêndio, por exemplo, ela salvou o Totó. O que a levou a isso? Foi compaixão, medo ou ela tem afeto por ele? Eu, como intérprete, faço a cena como se ela estivesse sendo sincera. O que o Silvio vai fazer com isso eu não sei. Ele não está economizando história, é genial. Fico jogando o jogo que ele propõe, sem medo de ser feliz.

 

 

No começo, a Clara foi bastante comparada à Flora (de A Favorita). Ficou chateada?

Fiquei muito honrada! A Patrícia (Pillar) fez um trabalho brilhante junto com o João Emanuel (Carneiro, autor), eles criaram um personagem marcante. Eu sei porque convivi muito com a Flora. Minha personagem (Lara) era filha da personagem da Patrícia. Me inspirou muito estar perto dela.

 

 

Alguns casais de novela com diferença de idade - o homem mais velho com a mulher mais nova - foram rejeitados. Mas o Totó e Clara ficaram muito bem juntos, a ponto de o público torcer por eles. Tem algum palpite sobre o motivo?

Que honra ouvir isso, porque a gente está falando do Tony Ramos... (risos) Acho que é um conjunto de fatores. Primeiro, tem a dramaturgia, que está muito sedimentada, com personagens tão estruturados na sua complexidade. E tomamos cuidado para construir a relação dos dois com delicadeza e profundidade. O Totó tem um caminho de personagem muito interessante. É um pai de família, teve quatro filhos, mas é também um homem viril, da terra, que fala dos seus sentimentos. Você acredita que aquele homem sente mesmo tesão.

 

 

A Clara tem defesa?

Não, nada justifica a maldade dela. É claro que ela teve problemas na infância e que isso faz uma pessoa ser desestruturada, mas não mau caráter.

 

 

O Silvio de Abreu disse que continua discutindo em Passione o mesmo tema de Torre de Babel (1998): a pessoa nasce má ou é modificada pela sociedade? O que você acha?

Que difícil... Acho que tem casos e casos. É uma discussão interminável. Tem casos de índole, em que a pessoa nasce assim mesmo, e outros casos em que a vida é tão dura, que a pessoa não enxerga mais nenhuma possibilidade. É uma discussão longa, mas que bom que o Silvio propôs que as pessoas discutam isso.

 

 

Qual é o ponto positivo da Clara?

Ela é determinada. E o coração dela não é gelado, bate pela irmã.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.