A arte de dar nome aos bois

Antes mesmo da trama ganhar força, a cabeça do dramaturgo já busca os nomes perfeitos

Mário Viana, O Estado de S.Paulo

23 de dezembro de 2007 | 00h08

Batizar um filho é a maior complicação. Imagine, então, o que é encontrar nome para 45, 50, às vezes mais, criaturas nascidas da imaginação. Antes mesmo da trama de uma novela ganhar força, o cérebro do dramaturgo ferve ao buscar o nome certo para cada personagem. Sim, cada personagem deve ter o nome certo - mesmo que seja Dorgival. Numa obra que consome R$ 250 mil por dia, nada pode ser aleatório.Em Sete Pecados, Walcyr Carrasco não perdeu tempo com sutilezas. Dante e Beatriz são uma óbvia referência ao escritor italiano Dante Alighieri, autor do clássico Divina Comédia, e sua musa. Na trama, Beatriz é protegida pelo anjo da guarda Custódia (Claudia Jimenez). No dicionário, custódia é o ato de proteger e é também o nome do vaso em que se guarda a hóstia, nas igrejas católicas. Já o casal mais popular da novela, Romeu e Juju, vive uma história de amor proibido, como se fossem os personagens de Shakespeare na idade madura. Na Record, a estreante Gisele Joras também foi explícita em Amor e Intrigas. Celeste (Denise del Vecchio) é uma personagem alegre, pra cima, do bem - celestial, mesmo. Já a vilã Dorotéia (Ester Góes) é dura, seca, impiedosa. Não dá pra esperar outro comportamento de uma mulher com esse nome. Em Caminhos do Coração, a mocinha é uma pureza só. E, portanto, se chama Maria - nome da mãe de Jesus em emissora evangélica pega bem pra caramba. Dos autores estrelares, nenhum vai mais longe que o blogueiro Aguinaldo Silva. Ele sempre traz para a linha de frente nomes que outros autores destinam a empregadas, porteiros e personagens simplórios. Nazaré, a inesquecível vilã de Senhora do Destino, é um exemplo. Duas Caras também carrega a marca do autor. Alguém lembra de outra moça tão vistosa como Flávia Alessandra que levasse o nome de Alzira? Nas novelas, Alziras quase sempre são tias, no máximo, secretárias. É tão ousado como chamar o herói de Evilásio. Aguinaldo só escorregou no Dorgival, um nome diferente demais - que me perdoe o sanfoneiro potiguar Dorgival Dantas. E, como estamos falando de Duas Caras, alguma pista deve haver no nome de Gioconda. De risonha, como diz o original italiano, a Gioconda de Marília Pêra não tem nada. Aquela milionária lesadinha deve ter algum segredo muito bem guardado. e-mail: mvianinha@hotmail.com.br

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.