GABRIELA BILO/ ESTADÃO
GABRIELA BILO/ ESTADÃO

Zé Celso e atores do Teatro Oficina são inocentados de crime religioso

Juiz decidiu pela inocência do trio em resposta à defesa apresentada por eles na segunda-feira, 9

Redação, O Estado de S. Paulo

09 de junho de 2015 | 18h03

Os atores Mariano Mattos Martins e Tony Reis, assim como o diretor José Celso, foram considerados inocentes pela Justiça ainda nesta segunda-feira, 8, de acusação de e crime contra o sentimento religioso. O anúncio foi feito no site do Teatro Oficina. 

Na tarde de segunda, Martins e Reis compareceram à nova audiência no Fórum Criminal da Barra Funda, acompanhados por seus representantes legais. Zé Celso, diretor da companhia, enviou um atestado médico justificando a ausência. 

A audiência durou 20 minutos e os advogados dos atores entregaram a defesa contra a acusação de Luiz Carlos Lodi da Cruz, um padre de Goiás, para o qual uma encenação do Oficina se enquadrava no artigo 208 do Código Penal, que fala sobre zombar de alguém por motivo de crença ou função religiosa. 

Na mesma segunda-feira, o juiz José Zoega Coelho, do Juizado Especial Criminal do Fórum da Barra Funda, decidiu em favor dos integrantes do Teatro Oficina. A punição a Zé Celso foi prescrita. Já o juiz entendeu que o fato narrado na acusação não constitui crime de Martis e Reis. 

Foi o segundo encontro com a Justiça. Na primeira audiência, realizada em 5 de novembro de 2014, os acusados se recusaram a assinar um documento que reconhecia a culpa na infração do artigo 208. A ação judicial aconteceu após a realização peça Acordes, na PUC-SP, em 2012. Na época, o Teatro Oficina inclui figuras religiosas por se apresentar dentro de uma instituição católica. A peça faz uma metáfora ao totalitarismo e questionava a escolha para o cargo de reitoria da universidade. 

Mais conteúdo sobre:
teatroteatro oficinazé celso

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.