ALE CATAN/DIVULGAÇÃO
ALE CATAN/DIVULGAÇÃO

‘Visitando o Sr. Green’ ganha nova versão após 15 anos

Antes interpretada por Cássio Scapin, montagem é dirigida pelo ator e tem, no elenco, Sergio Mamberti e Ricardo Gelli

Murilo Bomfim, O Estado de S. Paulo

24 de abril de 2015 | 03h00

Cássio Scapin apresentou sua primeira peça de teatro profissional em 1986 e, desde essa época, já dirigiu muitos espetáculos e atuou em vários outros. Agora, vivencia algo inédito em sua carreira: dirige um espetáculo em que, há 15 anos, trabalhou como ator. Foi em 2000 que ele dividiu o palco com Paulo Autran em Visitando o Sr. Green sob a direção de Elias Andreato. Uma nova versão da montagem estreia hoje, no Teatro Jaraguá, com Sergio Mamberti e Ricardo Gelli sob a batuta de Scapin.

“Tenho memória muito boa, então a experiência foi difícil”, diz o diretor, explicando que a ideia era fazer um outro tipo de espetáculo, baseado no material fornecido pelos atores. Algumas semelhanças, no entanto, são inevitáveis. “O texto é tão bem amarrado que a partitura é muito precisa.” Scapin lembra que, enquanto atuava em Visitando o Sr. Green, teve a oportunidade de ir a Paris e lá assistiu a outra versão do espetáculo. “As direções nunca se conversaram, mas os resultados eram muito parecidos”, conta ele.

Segundo Scapin, um dos desafios foi conciliar ideias de três profissionais de idades diferentes. Com 50 anos, o diretor fica entre os 35 de Gelli e os 76 de Mamberti. A conversa entre gerações, aliás, norteia a peça.

No enredo do americano Jeff Baron, um acidente de trânsito acaba aproximando o velho e solitário Sr. Green (Mamberti) do jovem executivo Ross Gardner (Gelli), quando um juiz determina que este preste serviços comunitários junto ao Sr. Green. Após o ocorrido, ambos se envolvem em situações inusitadas, com choques de gerações.

Em entrevista ao Estado, Baron conta que teve dupla inspiração para escrever a trama. “Fui eu que cuidei da minha avó quando ela estava na casa dos 90”, afirma. “Foi uma experiência engraçada e triste, mas bonita e intensa. Quis compartilhar esse encontro com o público.” Outra influência veio da atitude de um amigo, que decidiu se voluntariar para fazer companhia a um idoso. “Quis escrever sobre isso, mas não tinha nenhum conflito na história, por isso criei o acidente.” No fim, Baron diz que queria mesmo era contar uma boa história que fizesse os espectadores pensarem nas próprias famílias.

Mamberti foi convidado a atuar na peça há cerca de cinco anos, mas não pôde participar porque estava envolvido em suas atividades do Ministério da Cultura (MinC). Agora produzido por ele, o espetáculo marca o retorno do ator ao teatro após 12 anos no MinC. Visitando o Sr. Green é, também, o primeiro trabalho de Mamberti com Scapin desde Castelo Rá-Tim-Bum, programa televisivo infantil em que eles viviam, respectivamente, o Tio Victor e o tricentenário Nino.

“Fiquei fascinado pela peça. Ela já foi encenada em vários países e, neste momento, está em cartaz em nove!”, exclama Mamberti. Para ele, o texto de Baron toca em um tema muito atual, que é o da aceitação do outro, da tolerância. “Isso se relaciona à diversidade sexual e às questões religiosas. A peça consegue aprofundar muito do ponto de vista humano, além da discussão de ideias.”

VISITANDO O SR. GREEN

Teatro Jaraguá. Rua Martins Fontes, 71, tel. 3255-4380. 6ª, 21h30; sáb., 21 h; dom., 19 h. R$ 50. Até 19/7.

Tudo o que sabemos sobre:
Teatro

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.