FELIPE PANFILI
FELIPE PANFILI

‘Vamp, o Musical’ atualiza temas de sucesso da novela

'Vamp' foi exibida pela Globo entre 1991 e 1992, consagrando o tema de vampiros na faixa das 19 horas

Ubiratan Brasil, O Estado de S.Paulo

21 Março 2017 | 05h00

RIO - Na plateia, um rapaz ostenta uma vistosa capa preta enquanto amigas vindas de Nova Iguaçú fazem selfie exibindo um sorriso de plástico, graças à dentadura de brinquedo que ressalta os caninos. Como na telenovela que o inspirou, Vamp, o Musical, em cartaz no Teatro Riachuelo, no Rio, deseja atrair um público amplo, mas especialmente os mais jovens. Para isso, a fórmula do folhetim é repetida no palco, ao recriar uma trama sobre vampiros passada nos dias de hoje, misturando comédia, suspense, rock e atores mirins. “É como condensar sete meses de novela em pouco mais de duas horas”, resume Ney Latorraca, que repete no palco o papel de Vladimir Polanski (homenagem ao diretor polonês), personagem que marcou sua carreira.

Na verdade, marcou também a da atriz Claudia Ohana (ela está no musical, revivendo a cantora roqueira Natasha), o diretor Jorge Fernando, o figurinista Lessa de Lacerda e o cenógrafo José Claudio Ferreira e o autor Antonio Calmon, que completam a equipe criativa que esteve na novela. Vamp foi exibida pela Globo entre 1991 e 1992, consagrando o tema de vampiros na faixa das 19 horas. A trama acompanha Natasha, uma cantora que vende a alma para Conde Vlad em troca do sucesso na carreira. Ele, apaixonado por sua presa, fará de tudo para conquistá-la, mas, com o passar do tempo, Natasha só tentará se livrar dele e da maldição de ser vampira para sempre. “Histórias de vampiro são como jeans: nunca saem de moda”, brinca Claudia Ohana.

Ela e Latorraca vivem momentos inusitados com os fãs – as poses para as tradicionais selfies agora trazem os atores simulando uma mordida no pescoço da pessoa. “Isso aqui é uma grande loucura”, diverte-se o ator, que domina a atenção quando está em cena, demonstrando que continua um mestre do humor. “Não faço uma peça de enorme sucesso desde O Mistério de Irma Vap (que dividiu com Marco Nanini, ficando em cartaz entre 1986 e 1997) e esse musical reforça o bom momento da minha vida nessa nova fase”, conta Latorraca que, em 2012, sofreu um grave problema de saúde. “Vlad é um dos meus grandes personagens e acho que o segredo de seu sucesso está na opção que fiz de não criar um galã, mas um vampiro sedutor e principalmente engraçado.”

Análise: histórias de vampiros fascinam pelo poder sexual

De fato, Latorraca participaria de apenas nove capítulos da novela, mas a enorme aceitação popular o impôs como protagonista. No musical, ele utiliza o recurso do improviso, brincando tanto com eventuais problemas técnicos, e até faz piadas com colegas do elenco. Isso permite uma troca, especialmente com os mais veteranos – Osvaldo Mil, por exemplo, que compõe um hilário casal com a talentosa Livia Dabarian (vivem Matoso e Mary Matoso), chega a chamar Vlad de Barbosa, lembrança do lendário personagem vivido por Latorraca no humorístico TV Pirata.

“Ney é um grande agregador desse elenco de 36 atores”, nota Aniela Jordan, sócia, ao lado de Fernando Campos e Luiz Calainho, da Aventura Entretenimento, empresa responsável pela produção. “Desde o início, sabíamos que Vamp, o Musical só existiria com sua presença.” O desafio, segundo ela, era resgatar as principais características da novela, mas também trazer um novo frescor à história. “Na adaptação, procurei ser fiel à novela e manter o equilíbrio entre o humor negro sobrenatural, o imaginário infantil, o romantismo juvenil e a realidade cotidiana dos adultos”, explica Antonio Calmon.

Assim, canções que marcaram o folhetim permanecem, como Noite Preta, que foi tema e agora volta com novos arranjos na voz de Claudia Ohana. “O público sempre pensou que era eu quem cantava esse tema, o que só será verdade agora”, diverte-se ela, que também assume o vocal de Sympathy for the Devil, dos Rolling Stones, e Puro Êxtase

LEIA MAIS: novela 'Vamp' se tornou um dos mais cultuados da TV

Outros standards estão na lista como Gita, Felicidade Urgente, Doce Vampiro e, principalmente, Thriller, que inspirou uma criativa coreografia de Alonso Barros. “Não foi fácil, pois o original é perfeito”, diz ele. “Decidi fazer uma releitura, acrescentando outros sons, um sapateado no chão e, para terminar, passos de samba.” O resultado é primoroso.

Calmon criou ainda um novo personagem, Madrácula, a mãe de Vlad, oportunidade para Claudia Netto ostentar seus vastos recursos artísticos. Ela e Evelyn Castro (como a caça-vampiros Alice Penn Taylor) estão simplesmente perfeitas. O musical deve chegar em julho a São Paulo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.