Divulgação
Divulgação

'Um Amor de Vinil' trata da memória afetiva formada pela trilha sonora que marca relacionamentos

Peça é embalada por sucessos musicais

Ubiratan Brasil, O Estado de S.Paulo

11 Novembro 2016 | 05h00

Amanda é dona de uma loja de discos de vinil. Maurício é um dos principais clientes do lugar, e também de seus grandes admiradores. Ainda que fiel à mulher, ele acaba se envolvendo com Amanda, graças ao interesse comum pela música. Eis o ponto de partida de Um Amor de Vinil, musical escrito por Flávio Marinho e estrelado por Françoise Forton, que estreia nesta sexta-feira, 11, no Teatro Fecomércio, Sala Raul Cortez.

Um Amor de Vinil fala do cuidado que devemos ter com a nossa memória”, define Flávio Marinho, que selecionou 22 canções nacionais para o espetáculo, temas que estão presentes no imaginário das pessoas, como Outra Vez, de Isolda, eternizado na voz de Roberto Carlos, e Paula e Bebeto, composto por Milton Nascimento e Caetano Veloso e que ficou famosa na voz de Gal Costa.

“As músicas fazem parte da história”, observa Françoise, que divide a cena com Maurício Baduh. Os atores são acompanhados pelo ator/músico Marco Gérard. “Se você retirar a melodia e prestar atenção apenas na letra, a história do musical continua sendo contada. Elas ajudam a dramaturgia.” De fato, a escolha foi feita para estimular a memória emotiva das pessoas. “A vida da gente é um filme cheio de lembranças em que a música faz a nossa trilha”, continua a atriz, observando ainda que as canções, para servir bem à trama, nem sempre são apresentadas como no original. “A tônica da sílaba, às vezes, é diferente do que estamos acostumados, mas, ao acompanhar a relação de amor desse casal, vai ser fácil notar que a mudança foi necessária.”

“As canções de Um Amor de Vinil por si só bastariam para narrar a mais apaixonante história de amor. A cena corre ligeira e pontuada por uma sequência musical. Quando o poeta e o compositor se unem, é impossível proteger o coração das memórias e das emoções”, comenta André Paes Leme, diretor do espetáculo. “Trata-se da história de amor entre um homem que ensina uma mulher a chorar e de uma mulher que ensina um homem a sorrir”, completa Flávio Marinho.

De fato, o musical delineia o nascimento de uma paixão – não um amor tresloucado, físico, sexual, mas aquele movido a sentimentos, pequenas carícias, conhecimento. “No início, como Amanda e Maurício ainda são estranhos um para o outro, eles expressam melhor seus sentimentos por meio das letras das canções”, fala Françoise, apontando ainda para a função de determinadas músicas no espetáculo. “Começar de Novo é cantada no momento em que se reúnem forças para vencer um momento difícil e Evidência revela a beleza dos pequenos detalhes.”

“Flávio resgatou e misturou pérolas brasileiras bem antigas com trilhas mais modernas. Todo o contexto musical é de extrema importância para a trama e é por isso que estou transformando alguns arranjos e ‘dando uma nova vestimenta’ às músicas”, conta Liliane Secco, diretora musical.

Ouvinte habitual de programas de rádio, Françoise sabe a importância que tem a palavra, especialmente em relacionamentos. “O musical é como um lindo e delicado bordado, formado por uma renda com desenhos”, completa

UM AMOR DE VINIL

Teatro Fecomércio. Rua Dr. Plínio Barreto, 285. Tel.: 3254-1631. 6ª, 21h30. Sáb., 21h. Dom., 17h. R$ 80. Até 18/12

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.