JF Diorio/Estadão
JF Diorio/Estadão

Thiago Soares se apresenta em São Paulo com duas promessas brasileiras

Bailarino do Royal Ballet criou projeto que trará ao País jovens prodígios que têm se destacado pelo mundo

Juliana Ravelli, ESPECIAL PARA O ESTADO

28 de julho de 2017 | 06h01

É no exterior que bailarinos brasileiros conseguem construir uma carreira mais estável, o que não significa menos trabalhosa. Mas além do artista, a falta de oportunidades no Brasil afeta o público, privado de conhecer e ver seus talentos no palco. Há 15 anos no Royal Ballet, em Londres - 11 deles como bailarino principal -, Thiago Soares criou projeto que trará ao País jovens prodígios que têm se destacado lá fora. A primeira edição de Thiago Soares & Convidados ocorre neste sábado, 29, e domingo, 30, às 20h, no Teatro Sérgio Cardoso.

“Sofri muito ao longo da minha carreira para tentar repercutir as coisas que estavam acontecendo comigo na Europa. Para isso, tinha de vir aqui dançar. Só que, normalmente, não tem tantos convites. Por isso, eu mesmo criei minhas oportunidades aqui. Produzi alguns espetáculos, galas. Percebi que, agora, existe uma safra de bailarinos brasileiros que estão pelo mundo afora e que também não têm essa chance”, diz Thiago.

As convocadas são Amanda Gomes, solista do Ballet da Ópera de Kazan, na Rússia, e Mayara Magri, solista no mesmo Royal Ballet de Thiago. Dançarão com o bailarino o papel-título do balé Giselle. A obra em dois atos conta a história da jovem camponesa que se apaixona por um nobre disfarçado e morre desiludida por esse amor. O corpo de baile fica a cargo da Companhia Brasileira de Ballet, dirigida por Jorge Texeira.

Será a primeira vez que Amanda e Mayara terão Thiago como partner. Ainda muito novas - Amanda, com 22 anos, e Mayara, com 23 -, as duas solistas estão em ascensão. Destacam-se não apenas pela técnica, mas principalmente pelo carisma em cena. “A Mayara e a Amanda estão em um timing perfeito. Estão no momento certo de crescer, representar mais e viajar. São solistas, mas têm o calibre total de primeiras-bailarinas”, afirma Thiago.

A goianiense Amanda, que dança no sábado, recebeu a medalha de prata (não houve ouro em sua categoria) no 13.º Moscow International Ballet Competition em 20 de junho, dia de seu aniversário. O concurso foi no lendário Teatro Bolshoi. Em 2016, também se tornou a segunda brasileira a receber a medalha de ouro no International Ballet Competition em Varna, na Bulgária, considerada a olimpíada da dança. Amanda foi aluna da Escola do Teatro Bolshoi no Brasil, em Joinville, Santa Catarina.

Mayara, que interpreta Giselle no domingo, começou a estudar balé no projeto social Dançar a Vida, no Rio de Janeiro. Ganhou dois dos mais importantes concursos de dança do mundo, o Prix de Lausanne, na Suíça, e o Youth America Grand Prix, em Nova York. Recebeu bolsa de estudos para a Royal Ballet School, em Londres. E, assim que se formou, em 2012, entrou para a companhia principal. Em 2016, foi surpreendida com uma promoção para o cargo de solista. 

Ambas estavam há anos sem pisar em um palco brasileiro. A última vez que Amanda se apresentou no Brasil foi em 2014, antes de embarcar para a Rússia. Já Mayara não dançava no País desde 2012. Na segunda-feira, dia 24, ela participou da Gala dos 35 anos do Festival de Dança de Joinville.

“Nesses três anos que estou fora, quis muito dançar no Brasil. Agora, estou tendo essa oportunidade ao lado do Thiago. Seria maravilhoso se pudéssemos vir mais vezes dançar em casa”, afirma Amanda.

“No Brasil, existe a dificuldade da falta de apoio. Mayara e Amanda amam o país delas, mas por não terem como se desenvolver mais aqui, foram embora. Sei bem o que é ir em busca do seu sonho, mas, ao mesmo tempo, metade do seu coração querer se comunicar com seu país. A iniciativa de fazer esse espetáculo é facilitar um pouco para a nova geração. É muito importante conhecer os nossos talentos, saber onde estão, o que estão fazendo. É um ouro que é nosso”, afirma Thiago.

 

Apoio. No Royal Ballet, Thiago acompanha de perto o desenvolvimento de Mayara. Ela conta que, assim que se mudou para Londres, o bailarino ofereceu ajuda. “Ele me dá muitos conselhos. Conversamos bastante sobre experiências de vida que ele adquiriu. Sou muito sortuda de tê-lo como amigo e, agora, como partner”, conta Mayara.

Thiago planeja uma nova edição do projeto para dezembro. Pretende trazer três rapazes que também têm brilhado no exterior, mas ainda não divulgou os nomes. Deseja fazer uma montagem de O Lago dos Cisnes. 

Neste ano, deve estrear na HBO o documentário Primeiro Bailarino, em que o diretor Felipe Braga acompanhou o dia a dia de Thiago durante um ano. Também está em produção o filme que contará a trajetória do artista e que terá na direção o veterano Marcos Schechtman. 

THIAGO SOARES & CONVIDADOS

Teatro Sérgio Cardoso. Rua Rui Barbosa, 153. Tel.: 3288-0136. Sáb. e dom., 20h. R$ 100/ R$ 50.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.