ALEX SILVA/ESTADÃO
ALEX SILVA/ESTADÃO

Texto inédito de Marie NDiaye retrata obsessão de patroa com empregada

Como 'As Criadas' ao avesso, espetáculo 'Hilda' foi a primeira dramaturgia escrita pela autora de 'Coração Apertado'

Leandro Nunes, O Estado de S.Paulo

28 Abril 2018 | 06h00

O absurdo e o horror que surgem na primeira conversa entre Claire e Solange, em As Criadas, de Jean Genet, são alcançados com vertigem por Madame Lemarchand, a rica e histérica personagem de Hilda, texto inédito da autora francesa Marie NDiaye, em cartaz no Centro Cultural São Paulo.

Se, no texto de Genet, a dupla de criadas mimetiza a persona da patroa, numa tentativa quase antropofágica, na peça de Marie, a Madame quer protagonizar cada instante da vida de Hilda, que sequer aparece em cena. “Ela começa procurando um funcionário, porque precisa que a esposa dele seja sua empregada”, conta a atriz Cácia Goulart, que interpreta a Madame. “Aos poucos, vai vampirizando a vida de Hilda, seus hábitos e sua família.” 

Sem direito a responder por si, Hilda será conhecida no palco por meio das falas do funcionário Frank (Zé Geraldo Júnior) e da irmã de Lemarchand (Beatrix Oliva), conta o diretor Roberto Audio. “A madame fica hipnotizada pelo nome de Hilda, seu corpo, seus filhos e seu marido. Trata-se de uma mulher que naturalizou a exploração. Ela acredita ser boa, empática e que está fazendo um bem para todos.”

Entre os diálogos, a dona da casa transfere Hilda para sua mansão, “emprestando” a mulher aos seus amigos e à sua família. No tempo livre, Madame dá banho na empregada, corta seus cabelos e a veste. “Ela confirma a ideia de que seu poder não existe sem exercer a crueldade”, diz Audio. “Mas também que sua identidade, cheia de afetações e impressões falsas sobre si mesma, tente torná-la uma sombra, não um indivíduo.”

+ Crítica: 'As Criadas' subverte Jean Genet sem trair seu espírito

Na encenação, luzes delimitam os espaços da grande mansão de Madame em contraste com a casa apertada de Frank. “Ela vai ultrapassar todos os limites, mas não quer dizer que é uma vitoriosa. Ali, todos estão perdendo”, explica o diretor. 

HILDA. Centro Cultural São Paulo. R. Vergueiro, 1.000. Tel.: 3397-4002. 6ª, sáb., 21h, dom., 20h. R$ 30 / R$ 15. Até 10/6.

Mais conteúdo sobre:
Marie NDiaye teatro

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.