Nilton Fukuda/ Estadão
Nilton Fukuda/ Estadão

Teto para captação de musicais com uso de leis de incentivo sobe para R$ 10 milhões

Valor máximo era de R$ 1 milhão por projeto; medida foi anunciada por Roberto Alvim nesta quinta-feira

Ubiratan Brasil, O Estado de S. Paulo

12 de dezembro de 2019 | 15h55

Depois de se reunir com produtores do teatro musical, o secretário Especial de Cultura Roberto Alvim confirmou o aumento do teto de captação para R$ 10 milhões com o uso de leis de incentivo – pela norma vigente, o valor máximo é de R$ 1 milhão por projeto. A decisão foi tomada na tarde desta quinta-feira, na sede da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo, a Fiesp, em São Paulo, onde Alvim almoçou com representantes da área. Três produtores confirmaram a informação para o Estado.

“Foi uma vitória para nosso setor”, comentou Renata Borges, da produtora Touché. “O antigo valor é insuficiente para custear até produções de pequeno porte. Por isso que nossa ambição era aumentar ao menos para os R$ 6 milhões.” Alvim prometeu fazer a alteração até o dia 20 de dezembro, mas a burocracia pode jogar a medida para janeiro.

O secretário Alvim já havia se reunido com representantes do teatro musical na semana passada, em Brasília. O encontro desta quinta-feira foi amarrado pelo presidente da Fiesp, Paulo Skaf, interessado depois que Alvim acenou com a possibilidade de alteração. “Como diretor teatral, eu sei que não é possível fazer teatro musical com R$ 1 milhão. Estamos aqui para consertar esse equívoco, que pode comprometer uma área importante, responsável por gerar inúmeros empregos e por dinamizar a economia”, afirmou o secretário em material divulgado pela assessoria da secretaria.

De fato, um estudo encomendado pela Sociedade Brasileira de Teatro Musical à Fundação Getúlio Vargas mostro que o gênero conquistou, em 2018, um impacto econômico de R$ 1,01 bilhão na cidade de São Paulo. Isso representou um expressivo número nos postos de trabalho diretos (8.662) e indiretos (4.162), gerados pela atividade. A pesquisa mostrou ainda que, a cada R$1 real investido, via leis de incentivo, o governo arrecadou R$1,92 em impostos. Já na economia local, cada R$1 investido movimentou a R$ 8,25.

A alteração no teto do valor incentivado, portanto, era essencial para a manutenção do setor. “É o renascimento do teatro musical no Brasil. Essas alterações que serão promovidas salvam um mercado que estava respirando por aparelhos. A sensibilidade do governo nestas correções vai salvar muitos empregos e gerar outros milhares”, comenta Marllos Silva, da Marcenaria de Cultura.

Além de Marllos e Renata, estiveram presentes na reunião com Alvim os produtores Fernando Alterio (T4F), Stephanie Mayorkis (Egg e Imm Entretenimento), Vinicius Munhoz (Atelier de Cultura), Fábio Oliveira (Maestro Entretenimento), Edinho Rodrigues (Brancaleone Produções), Isabela Oliveira (Opus Entretenimento).

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.