Nilton Fukuda/ Estadão
Nilton Fukuda/ Estadão

Teto para captação de musicais com uso de leis de incentivo sobe para R$ 10 milhões

Valor máximo era de R$ 1 milhão por projeto; medida foi anunciada por Roberto Alvim nesta quinta-feira

Ubiratan Brasil, O Estado de S. Paulo

12 de dezembro de 2019 | 15h55

Depois de se reunir com produtores do teatro musical, o secretário Especial de Cultura Roberto Alvim confirmou o aumento do teto de captação para R$ 10 milhões com o uso de leis de incentivo – pela norma vigente, o valor máximo é de R$ 1 milhão por projeto. A decisão foi tomada na tarde desta quinta-feira, na sede da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo, a Fiesp, em São Paulo, onde Alvim almoçou com representantes da área. Três produtores confirmaram a informação para o Estado.

“Foi uma vitória para nosso setor”, comentou Renata Borges, da produtora Touché. “O antigo valor é insuficiente para custear até produções de pequeno porte. Por isso que nossa ambição era aumentar ao menos para os R$ 6 milhões.” Alvim prometeu fazer a alteração até o dia 20 de dezembro, mas a burocracia pode jogar a medida para janeiro.

O secretário Alvim já havia se reunido com representantes do teatro musical na semana passada, em Brasília. O encontro desta quinta-feira foi amarrado pelo presidente da Fiesp, Paulo Skaf, interessado depois que Alvim acenou com a possibilidade de alteração. “Como diretor teatral, eu sei que não é possível fazer teatro musical com R$ 1 milhão. Estamos aqui para consertar esse equívoco, que pode comprometer uma área importante, responsável por gerar inúmeros empregos e por dinamizar a economia”, afirmou o secretário em material divulgado pela assessoria da secretaria.

De fato, um estudo encomendado pela Sociedade Brasileira de Teatro Musical à Fundação Getúlio Vargas mostro que o gênero conquistou, em 2018, um impacto econômico de R$ 1,01 bilhão na cidade de São Paulo. Isso representou um expressivo número nos postos de trabalho diretos (8.662) e indiretos (4.162), gerados pela atividade. A pesquisa mostrou ainda que, a cada R$1 real investido, via leis de incentivo, o governo arrecadou R$1,92 em impostos. Já na economia local, cada R$1 investido movimentou a R$ 8,25.

A alteração no teto do valor incentivado, portanto, era essencial para a manutenção do setor. “É o renascimento do teatro musical no Brasil. Essas alterações que serão promovidas salvam um mercado que estava respirando por aparelhos. A sensibilidade do governo nestas correções vai salvar muitos empregos e gerar outros milhares”, comenta Marllos Silva, da Marcenaria de Cultura.

Além de Marllos e Renata, estiveram presentes na reunião com Alvim os produtores Fernando Alterio (T4F), Stephanie Mayorkis (Egg e Imm Entretenimento), Vinicius Munhoz (Atelier de Cultura), Fábio Oliveira (Maestro Entretenimento), Edinho Rodrigues (Brancaleone Produções), Isabela Oliveira (Opus Entretenimento).

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.