Hélvio Romero/ Estadão
Hélvio Romero/ Estadão

‘Somos fiéis ao original, mas com nosso tempero’, diz Marllos Silva

Diretor do espetáculo 'Madagascar - Uma Aventura Musical', falou sobre a diferença entre as versões e apresentou um pouco do que será levado ao público

Entrevista com

Marllos Silva

Ubiratan Brasil, O Estado de S. Paulo

10 de outubro de 2019 | 06h00

Sem medo de ousar. É assim que Marllos Silva dirigiu, ao lado da produtora Renata Borges, a adaptação brasileira de Madagascar - Uma Aventura Musical, peça inspirada no famoso desenho da DreamWorks. O diretor, que assume pela primeira vez as rédeas de um espetáculo deste porte, concedeu entrevista ao Estado, onde aproveitou para destacar as principais diferenças entre as versões e falar um pouco sobre as novidades que serão apresentadas ao público na montagem brasileira do espetáculo. 


Ubiratan Brasil - A versão brasileira não segue a cartilha do original estrangeiro?

Marllos Silva - Estamos sendo fiéis ao original, mas com o nosso tempero brasileiro. Tanto que nossa versão terá cerca de 75 minutos, enquanto a original se aproxima de 60 minutos.


E o que tem de original?

Para começar, criamos uma abertura, a Overture, antes de iniciar a história. Também buscamos abrasileirar alguns detalhes, como na coreografia, que tem funk e toques de Carmen Miranda.


E os figurinos de Fause Haten?

São uma experiência à parte e foram concebidos após muitos testes para encontrar a melhor solução a cada um dos animais. Melman, por exemplo, é um projeto de 2,75 m de altura.


Também a maquiagem.

Anderson Bueno criou uma maquiagem artística pouco utilizada no teatro musical, algo parecido ao usado pelo Cirque du Soleil. 


 

Tudo o que sabemos sobre:
teatroMarllos Silvamusical [teatro]

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.