Teatro Bolshoi/Divulgação
Teatro Bolshoi/Divulgação

Solista brasileiro do Bolshoi se demite por crise na Ucrânia

A demissão de David Motta Soares segue a do maestro principal, Tugan Sokhiev, que renunciou no domingo

AFP, O Estado de S.Paulo

07 de março de 2022 | 17h20

O bailarino brasileiro David Motta Soares, um dos principais solistas do renomado balé Bolshoi da Rússia, anunciou sua demissão nesta segunda-feira, 7, em uma mensagem de solidariedade aos "combatentes" na Ucrânia

Com 24 anos, David foi uma das principais estrelas do Bolshoi, que está entre as muitas instituições culturais envolvidas na reação internacional contra a invasão da Ucrânia pelo presidente russo, Vladimir Putin. 

"Estou profundamente triste em dizer que deixei o Teatro Bolshoi, meus professores, meus amigos, minha família, o lugar que chamei de lar por muitos anos", escreveu Soares no Instagram. 

"Não posso agir como se nada estivesse acontecendo, simplesmente não consigo acreditar que tudo isso está acontecendo de novo, já passamos por isso deveríamos ter aprendido com o passado", escreveu. Ele disse que tem "muitos amigos" na Ucrânia e não consegue imaginar o que eles estão passando ou como estão "enfrentando essa... situação". 

"Meu coração (está) com eles", escreveu.

Sua demissão segue a do diretor musical e maestro principal do Teatro Bolshoi, Tugan Sokhiev, que renunciou no domingo, e disse que se sentiu pressionado a se posicionar sobre o conflito na Ucrânia. 

A Royal Opera de Londres anunciou em 25 de fevereiro o cancelamento de uma temporada de apresentações do balé Bolshoi devido à invasão. 

Soares, que cresceu em Cabo Frio, a 150 quilômetros do Rio de Janeiro, chegou aos 12 anos ao Bolshoi, a lendária academia de dança do teatro de Moscou. Ele se formou em 2015 quando ganhou o primeiro prêmio no All-Russian Young Dancers Competition e subiu na hierarquia do Bolshoi para o posto de solista líder - um abaixo do dançarino principal.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.