Alex Silva/Estadão
Alex Silva/Estadão

Prêmio São Paulo de Incentivo ao Teatro Jovem e Infantil luta para não acabar

Na comemoração da 25ª edição, evento busca alternativas para sobreviver

Leandro Nunes, O Estado de S. Paulo

17 de setembro de 2019 | 21h02

A última edição do Prêmio São Paulo de Incentivo ao Teatro Jovem e Infantil teve direito a uma noite calorosa, na segunda, 16, no Teatro Sergio Cardoso. O evento comemorou sua 25.ª edição e parecia não se lembrar de que era a derradeira, após a retirada do patrocínio por parte da Coca-Cola Femsa Brasil.

O sentimento foi confirmado pela atriz Amanda Acosta, vencedora na categoria pela interpretação em Carmen, a Grande Pequena Notável. “A história da Carmen Miranda nos mostrou que a arte pode ultrapassar fronteiras. Sinto que esse prêmio não vai acabar”, acrescentou. “Vamos conversar com o público. Essa arte também é deles.” O espetáculo inspirado na obra homônima de Heloísa Seixas e Julia Romeu também levou o prêmio pelo figurino de Kleber Montanheiro. 

Outro espetáculo celebrado foi É Tudo Família, vencedor na categoria autoria de texto adaptado, de Tábata Makowski, e melhor espetáculo infantil. A montagem dirigida por Kiko Marques narra a história de quatro estudantes que têm como tarefa responder à pergunta: O que é família? “Enquanto estávamos criando essa peça eu perdi meu pai”, conta o diretor. “Foi uma reviravolta que nos fez questionar o sentido da palavra família.”

Na categoria melhor espetáculo jovem, Dois a Duas venceu com o drama de Maria Fernanda de Barros Batalha que aborda a juventude e a descoberta da sexualidade. A peça também recebeu troféu pela atuação da coadjuvante Luzia Rosa. 

Diferentemente de premiações de teatro adulto, o Prêmio São Paulo reconhece entre seus vencedores espetáculos ou grupos que se revelam na temporada. Nesta edição, foi a vez de Vocês Vão Ter que Me Engolir, da Cia Mar que aborda o tema do esporte e futebol.

“Ficamos muito felizes porque a criação dessa peça se deu enquanto assistíamos pela primeira vez uma Copa do Mundo de futebol feminino na televisão aberta. Viva as nossas Martas, vivas as nossas Cristianes”, declarou a integrante da companhia Jéssica Policastri. 

A cerimônia também homenageou o diretor e artista plástico Ilu Krugli, fundador do Teatro Ventoforte, morto no dia 7 de setembro, aos 88 anos. O crítico e jornalista Dib Carneiro Neto relembrou a carreira do artista. “É muito triste saber que você estava aqui conosco e que partiu. Nessa plateia, é difícil não reconhecer tantos artistas que se inspiraram no seu trabalho e que foram tomados por seu vento forte.”

A Cia. Paideia de Teatro também esteve entre os premiados, levando troféu na categoria texto original por Pedro e Quim, de Amauri Falseti, e Prêmio Especial, com o espetáculo Vamos para Escola! “O que fazemos é para as crianças e por isso tem que ser o nosso melhor”, disse Falseti.

Na próxima semana, entre os dias 23 e 29, haverá chance de acompanhar alguns dos espetáculos vencedores na Primavera da Infância e Juventude, um festival organizado pela Paideia e secretaria municipal de Cultura, com programação de peças nacionais e internacionais, debates e palestras gratuitas em diversos espaços. 

Tudo o que sabemos sobre:
teatro

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.