Peça 'Quem Fica Com Quem' faz reflexão sobre relações afetivas e solidão

Peça 'Quem Fica Com Quem' faz reflexão sobre relações afetivas e solidão

Com texto e direção de José Eduardo Vendramini e Marcelo Braga, espetáculo, que estreia na sexta, 31, no Viga Espaço Cênico, faz mosaico de relacionamentos a partir de diferentes histórias

Adriana Del Ré, O Estado de S.Paulo

28 de maio de 2019 | 03h00

Durante seus almoços semanais, os autores e diretores José Eduardo Vendramini e Marcelo Braga costumavam conversar sobre histórias inusitadas que eles próprios conheciam ou que ouviam de amigos. E eles sempre se perguntavam: “Essa história daria uma peça ou uma cena?”. Foi a partir disso, da observação da vida que os rodeia, que nasceram as histórias da peça Quem Fica Com Quem, que estreia no próximo dia 31, no Viga Espaço Cênico, em São Paulo, e permanece em cartaz até dia 28 de julho.

Com texto e direção da dupla, o espetáculo reflete sobre as diversas relações humanas, sejam elas amorosas, sociais ou familiares, nos tempos de hoje, a partir de diferentes personagens. Há a história da mulher solitária que faz encomendas por telefone para seduzir os entregadores; da recém-separada que volta a pensar em ter filho, agora por meio de inseminação artificial; do jovem gay em busca de um parceiro numa agência de matchs virtuais; e do reencontro de um rapaz e uma moça que foram namorados na adolescência.

“Encontros inusitados, surpreendentes permeiam a peça. O mundo real e suas infinitas variantes causam perplexidade e pedem registro – neste caso, dramatúrgico –, mas sem pré-julgamentos. Por exemplo: ao esbarrarmos com alguém na rua, é inevitável que pensemos que ali, depois de um pedido de desculpas, segue com aquela pessoa todo um universo de desejos e conflitos que não conhecemos e que jamais conheceremos”, diz José Eduardo Vendramini.

“Porém, se temos a chance da aproximação, percebemos que o mosaico de relações que alguém desenvolve ao longo da vida, além de extremamente revelador, constitui-se em matéria-prima essencial para que possamos entender os caminhos qualitativos e quantitativos pelos quais este alguém trafega. Essa foi uma das chaves para que pudéssemos analisar, de forma sensível, o ser humano e sua capacidade de se libertar de condicionamentos e de recomeçar”, continua ele.

A partir desse mosaico de relações, o tema principal de Quem Fica Com Quem recai sobre a solidão – ou como escapar dela. Segundo Marcelo Braga, a peça propõe que se lance um olhar afetivo em direção à condição humana, já que narra a história de pessoas solitárias à procura de companhia, na eterna busca pela outra metade que torne a vida “motivadora e suportável”. “Hoje em dia, a tecnologia é uma forte aliada nessa luta contra a solidão e está presente em algumas das histórias, tais como a de uma mulher que usa o telefone para agendar entregas que a tirem da solidão ou ainda uma moça que, ao se ver sem parceiro, recorre ao site do banco de espermas para escolher o perfil do ‘pai’ do seu filho que ainda está por ser concebido”, diz ele.

No elenco, estão Alex Moreira, Ana Carolina Capozzi, Clóvis Gonçalves, Luciano Gatti, Salete Fracarolli e Valéria Lauand. A ideia proposta pelos diretores é que a encenação fosse apoiada no jogo teatral entre os atores. E que as coxias sejam abertas, e as trocas de cenários e figurinos, reveladas diante do público.

“Acreditamos que realidade e teatro são vasos comunicantes que podem se alimentar mutuamente e tudo isso sem cairmos obrigatoriamente no realismo naturalista”, explica Braga. “Acreditamos também na potência que os signos teatrais adquirem na cena, tornando assim a plateia cúmplice e co-autora das histórias que vão sendo, pouco a pouco, reveladas: um jogo aberto entre artistas e público”, conclui Vendramini.   

Viga Espaço Cênico. Rua Capote Valente, 1323, Sumaré, tel. 3801-1843. Às sextas e aos sábados, às 21h, e aos domingos, às 19h. R$ 10 (inteira) e R$ 5 (meia-entrada) / *sextas meia-entrada para todos. Estreia nesta sexta-feira, 31. Até 28/7. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.