Caio Gallucci
Caio Gallucci

Os desafios de sapatear e de montar ‘Company’

O ator Reiner Tenente comenta sobre a coreografia de ‘Cantando na Chuva’ e a produção do musical clássico

Ubiratan Brasil, O Estado de S. Paulo

24 Dezembro 2017 | 06h00

Reiner Tenente não é apenas um ator de teatro musical – também produz, dirige, é sócio criador do CEFTEM (Centro de Estudos e Formação em Teatro Musical), no Rio, e estuda com profundidade as origens do gênero. Aos 33 anos, Tenente é um especialista apaixonado.

Com uma carreira iniciada em 1990, ele acompanha o aprimoramento do musical no Brasil, enfrentando papéis cada vez mais desafiadores. Em dezembro, encerrou a bem sucedida carreira de Cantando na Chuva, para o qual estudou sapateado por mais de dois meses. Em março, estreia como ator o espetáculo MPB – Musical Popular Brasileiro, sob a direção de Jarbas Homem de Mello (que brilhou em Cantando), e, em paralelo, desenvolve um dos grandes projetos de sua trajetória: a montagem de Company (1970), um dos grandes trabalhos do americano Stephen Sondheim, que já teve uma brilhante versão, em 2000, assinada por Charles Möeller e Claudio Botelho. Sobre os projetos, Tenente conversou com o Estado.

Qual foi seu maior desafio em Cantando na Chuva

O sapateado. Nunca fiz um espetáculo com tantas cenas difíceis. Faço sapateado desde 2000, mas nunca continuamente. Aí precisei fazer um estudo técnico profundo e, dois meses e meio antes do início dos ensaios, vim semanalmente a São Paulo para ensaiar com a coreógrafa Chris Matallo e, no Rio, estudei com Patrícia Carillo, da Academia do Tap. 

Como estudioso de musicais, você acredita que o Brasil está em qual nível em relação a outros países? 

O Brasil está na redescoberta de sua linguagem de musical. Desde o final do século 19, já tínhamos um potente. Agora, vivemos uma redescoberta, descobrindo novas possibilidades e um musical com a nossa cara.

Você vai montar Company, um grande trabalho de Sondheim. Qual o maior desafio?

É a obra de Sondheim que mais me afeta, a mais genial. Aqui, os personagens têm uma complexidade profunda, mesmo parecendo, a princípio, rasos – olhando com critério, é possível descobrir camadas profundas e contemporâneas. O que me toca em Company é a liquidez, a superficialidade das relações. Nesse musical, a relação é tratada de forma a levantar questões pertinentes e o desafio é falar dessas questões contemporâneas a fim de afetar o público de hoje. Company fala muito sobre essas questões de se ter, ou não, uma companhia. A tecnologia de hoje, tão imediatista, por meio da qual as pessoas se conhecem e se distanciam em uma velocidade tão grande, é quase cruel.

E o que pode adiantar de MPB – Musical Popular Brasileiro?

Meu personagem é cômico, que é um tipo que amo fazer. Tem uma pegada do Teatro de Revista, especialmente o humor e a irreverência, que fazem parte da nossa tradição. Como fiz mestrado sobre a História do Teatro Musical Brasileiro, percebo muitas características da tradição do nosso teatro nesse espetáculo.

Próximos desafios

Company: O musical conta a história de Bobby, rapaz solteiro incapaz de manter um relacionamento estável, quanto mais um casamento. Como o título já mostra, tem como base os relacionamentos.

MPB – Musical Popular Brasileiro

A loucura de uma equipe improvisada, que tem de montar uma peça grandiosa em uma semana, com as peripécias de anjos caídos que tentam chegar ao céu. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.