Henrique Rangel
Henrique Rangel

'O público precisa ver que teatro não é aglomeração', diz a atriz Flávia Garrafa

Atriz retoma a temporada do espetáculo ‘Fale Mais Sobre Isso’, de forma presencial, no Teatro Renaissance

Dirceu Alves Jr., Especial para o Estadão

07 de agosto de 2021 | 05h00

Na primeira cena de Fale Mais Sobre Isso, a terapeuta Laura (interpretada por Flavia Garrafa) chegava apressada ao consultório, abria a bolsa e tinha uma surpresa desagradável. Um pote de hidratante havia estourado, deixando tudo lambuzado. Carteira, documentos, estojo de maquiagem, tudo. Foi assim entre 2015 e o começo de 2020, período em que o monólogo cômico escrito por Flavia e dirigido por seu irmão, Pedro Garrafa, correu os palcos de São Paulo e cinco outras cidades. 

Corta para 2021, segundo ano da pandemia do coronavírus. Laura trocou o creme para as mãos por um tubo de álcool gel, tão necessário nesses tempos, e foi o higienizador que causou o estrago. “Esta é uma das poucas modificações no texto”, avisa a atriz e autora. “Optamos por não incluir situações detalhadas sobre a covid para não ficar pesado, quem for ao teatro precisa ser feliz, encontrar leveza.”

Fale Mais Sobre Isso reestreia neste sábado, dia 7, às 17h30, uma temporada presencial no Teatro Renaissance prevista para se estender até 25 de setembro. “Era nesse palco em que eu estava, em março de 2020, quando tudo parou”, lembra. A sessão semanal, com 60% da plateia liberada, tem ingressos a R$ 70, que não serão impressos e conferidos só através do celular, álcool gel disponível para todos e, nem precisa reforçar, o uso de máscara é obrigatório. No mesmo Renaissance, a retomada se faz com outros espetáculos, como A Noviça Mais Rebelde, protagonizado por Wilson de Santos, e Precisamos Falar de Amor Sem Dizer Eu te Amo, com Priscila Fantin e Bruno Lopes. 

Cinco pacientes passam pelo consultório de Laura. São eles o metódico Sr. B, a Sra. C, que foi trocada por uma mulher mais jovem e ficou feliz, o egocêntrico Sr. D e Alice, uma senhora que, aos 78 anos, percebe que nunca abriu seus sentimentos. Todos recorrem à terapia porque carregam um desejo de mudança, algo que os fará andar para frente. Flavia acredita que a peça nunca esteve tão atual como agora, quando as pessoas ensaiam os primeiros passos em nome de uma nova rotina. “Medo de voltar? Claro que tenho, mas precisamos começar esse retorno, tomando todos os cuidados, até para não sermos engolidos por um fantasma e tudo ficar mais preocupante”, defende a atriz.

Assim como a personagem, a paulistana Flavia Garrafa, de 47 anos, é psicóloga – embora nunca tenha clinicado. Assim como seus colegas, que, aos poucos retomam as sessões de terapia ao vivo, a artista garante que entendeu a necessidade de esperar a hora certa de voltar aos palcos. “Estou vacinada com as duas doses e as outras cinco pessoas da minha equipe tomaram pelo menos a primeira”, avisa. “O público precisa ver que teatro não é aglomeração, mas cada um tem seu tempo e, ao escolher sair de casa, deve estar relaxado e disposto a ser feliz.” 

No ano passado, a atriz também se trancou em seu apartamento. Fez de lá uma peça online, Faça Mais Sobre Isso, que, em breve, pretende estrear ao vivo, e, entre outubro e dezembro, gravou no Rio de Janeiro a série Plantão sem Fim, do Multishow, protagonizada por Rodrigo Sant’Anna, ainda inédita. “Parecia um set de ficção científica, todo mundo mascarado, ninguém se tocava e muito álcool gel”, conta. 

Trabalhos rodados antes da crise sanitária, como a série policial Os Ausentes, da HBO Max, e o filme Diários de Intercâmbio, em que vive a mãe da personagem de Larissa Manoela, chegam agora ao espectador. Flavia também integrou a equipe de roteiristas da série Casais Inteligentes Enriquecem Juntos, do GNT, e preparou uma versão televisiva de Fale Mais Sobre Isso, em negociação com canais de streaming. “Eu adoro a série Sessão de Terapia, sou fã, então pensei que faltava um programa sobre esse assunto só que, claro, voltado para o humor”, revela.

Entre as reflexões estabelecidas nos últimos meses, Flavia analisou muito o imponderável da vida, entendeu que quase nada está sob o nosso controle. As perdas de pessoas queridas foram responsáveis por essa sacudida. A morte da atriz Kuka Annunciato, sua cunhada e assistente de direção de Fale Mais Sobre Isso, vítima de um câncer aos 30 anos, foi em maio. No começo do mesmo mês, ela já tinha chorado a perda de Paulo Gustavo, ator com quem Flavia conviveu por meio de grandes amigos em comuns. “Percebi que quem ficou carrega a função de oferecer um novo olhar, de mostrar que a vida continua e vamos nos adaptar a essa fase, entendendo o que pode ou não ser feito nas circunstâncias que estamos atravessando”, conclui.

Tudo o que sabemos sobre:
teatro

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.