MAURÍCIO BATTISTUCI
MAURÍCIO BATTISTUCI

Nos 20 anos, Latão revê sintoma de imobilidade em 'Lugar Nenhum'

Companhia festeja com espetáculo inspirado em abordagem mais social de Chekhov

Leandro Nunes, O Estado de S.Paulo

29 Junho 2018 | 06h00

Nas comemorações de seus 20 anos, a Companhia do Latão revê na própria trajetória a construção de um ponto de vista sobre um Brasil conjugado de mil forças, mais ou menos complexas. Lugar Nenhum, em cartaz no Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB) do Rio, é o nome do espetáculo que pode sugerir o estado atual das coisas, quando o movimento dessas forças se iguala em um incômodo desequilíbrio. A montagem, que deve vir para São Paulo – ainda sem data –, se inspira nas criações do russo Chekhov. “Ele é muito montado pelo tipo de trabalho mais subjetivo em suas obras”, conta o diretor Sérgio de Carvalho. “Mas também existe um olhar social por parte dele que é muito interessante.” 

A peça, que se apoia nos diários do autor de A Gaivota e As Três Irmãs, se passa numa casa de praia próxima a Paraty, no Rio, depois de Ubatuba. Nas ruínas de uma fazenda colonial, se encontra uma família de artistas e intelectuais de classe média para a comemoração do aniversário do filho. Entre eles, está um cineasta decadente, uma atriz de sucesso que encena uma peça de Ibsen, um músico que foi preso durante a ditadura e um jornalista liberal. “Neste fim de semana, os convidados vão debater suas vidas, suas ideias sobre a sociedade e o país, tudo misturado aos pequenos hábitos cotidianos.”

Para Carvalho, a condição imposta aos personagens é a de terem um extremo discernimento da própria vida e dos problemas. “À medida em que oferecem suas teorias para a crise, isso retorna como imobilidade. Um descompasso entre o pensamento e a prática. É a ideia de falar demais e fazer pouco”, afirma.

Lugar Nenhum vem com um impulso distinto dos trabalhos anteriores do Latão. Em O Pão e a Pedra (2016), o mote era grandioso. A união dos religiosos da Teologia da Libertação e do início do movimento grevista dos metalúrgicos entre os anos 1970 e 1980 no Grande ABC. Naquela época, padres e trabalhadores se juntavam para montar piquete na frente das montadoras de automóveis. O Estádio Primeiro de Maio, em São Bernardo do Campo, chegou a abrigar mais de 70 mil operários em suas assembleias. “Em Lugar Nenhum, o movimento é diferente. Os personagens carregam a profissão para a vida íntima e isso molda a forma de olhar o mundo”, explica Carvalho.

O resultado é um estado de paralisia, forçado para alguns personagens e espontâneo para outros. “O ambiente familiar se torna infernal para eles e faz surgir o que há de patético nisso.”

+ 'Experimento H' reproduz um dia de Marilyn Monroe e de Mary Sanches

Ao olhar para as duas décadas da companhia, Carvalho acredita que a imobilidade pode se estender, mas que dela pode surgir outra oportunidade. “Junto com toda melancolia provocada, há uma vontade de estudar. Quando não se compreende o próprio tempo, precisa parar e estudar.”

LUGAR NENHUM Centro Cultura Banco do Brasil Rio de Janeiro. R. Primeiro de Março, 66. Tel.: 21 3808-2020. 4ª a dom., 19h30. R$ 20 / R$ 10. Até 6/8.

Mais conteúdo sobre:
Companhia do Latãoteatro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.