WILTON JUNIOR/ESTADÃO
WILTON JUNIOR/ESTADÃO

No Rio, escola de teatro centenária pode fechar as portas por falta de apoio do governo

Criada em 1908, a Martins Pena deixou de receber verba do Estado

Fabio Grellet, O Estado de S. Paulo

30 de abril de 2015 | 19h16

RIO - Mais antiga instituição de ensino de teatro da América Latina, a Escola Técnica Estadual (ETE) Martins Pena, que funciona desde janeiro de 1908 no centro do Rio, pode fechar suas portas no fim de maio, quando terminam os contratos temporários de 15 professores e 9 funcionários, segundo os alunos. Mais 5 professores e 4 funcionários se afastaram no início deste ano, com o fim de seus contratos.

Os professores com contrato ainda em vigor estão se desdobrando para atender os alunos, principalmente na disciplina Interpretação, presente nos cinco semestres de duração do curso.

A unidade, que oferece curso técnico de ator aos candidatos aprovados numa seleção semestral, está sem telefone e internet desde outubro de 2014, quando o governo do Estado deixou de repassar uma verba mensal de R$ 1.800 para custeio dessas despesas, informaram alguns alunos.

Para debater a situação e alertar sobre o risco de fechamento, professores, funcionários, alunos e ex-alunos promoveram ontem, dia 30, o Ato Artístico Martins Resiste, que reuniu dezenas de pessoas na escola.

“No início do semestre atual, a Martins Pena se despediu de 5 professores e 4 funcionários. Algumas disciplinas estão interrompidas desde essa época, mas nos reunimos (...), optando por manter a escola em funcionamento, apesar disso. No dia 28 de maio, entretanto, perderemos mais 15 professores e 9 funcionários, o que causará um desfalque irremediável e a consequente paralisação das aulas”, informa manifesto do Grêmio Estudantil Renato Viana.

Uma assembleia para discutir a situação já está marcada pelo Grêmio para segunda, 4. 

A administração da Martins Pena cabe à Fundação de Apoio à Escola Técnica (Faetec), vinculada à Secretaria Estadual de Ciência e Tecnologia. Em nota, a Faetec informou que “todos os eventuais problemas relacionados à ETE Martins Pena foram identificados em visita à unidade, pelo setor técnico, na última terça-feira (28). As aulas na ETE estão transcorrendo normalmente, cabendo ressaltar que a direção da Faetec não havia sido informada sobre tais demandas pela coordenação da unidade até anteontem (29)”.

Fundada pelo jornalista Coelho Neto, a escola teve entre seus professores Cecília Meirelles, Viriato Correia, Gustavo Dória e Fernando Pamplona, e foi dirigida por artistas como José Wilker e Oduvaldo Vianna. Atores como Procópio Ferreira, Joana Fomm, Tereza Rachel, Denise Fraga e Claudia Jimenez se formaram na instituição.

Tudo o que sabemos sobre:
Teatro

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.