Daniel Teixeira/Estadão
Daniel Teixeira/Estadão

Musical 'Relaxa que É Sexo' mostra a evolução dos costumes

Autor e diretor da comédia musical, Wolf Maya vê público atual mais reprimido em relação ao assunto

Ubiratan Brasil, O Estado de S.Paulo

22 de fevereiro de 2018 | 19h20

A plateia, inicialmente, reage timidamente, mas, aos poucos, o sorrisos amarelos se transformam em gargalhadas. “É como se todos, de uma certa forma, perdessem a vergonha de lidar com o assunto”, conta Wolf Maya, autor e diretor de Relaxa que É Sexo, comédia musical que estreia nesta sexta, 23, no Teatro Nair Bello, no shopping Frei Caneca.

+++ Musical que ironiza Donald Trump é sucesso de público em Londres

O texto - já apresentado no Rio, onde Maya notou a reação do público - mostra diversos esquetes intercalados por números musicais apresentados por 12 atores. São uma espécie de “a vida sexual como ela é”: a virgem que, na noite de núpcias, se assusta com o tamanho do órgão do marido, o teste do ator pornô para um filme erótico, a conversa pra lá de informal entre homens em uma sauna.

+++ Teatro de Contêiner completa um ano e abre via alternativa de gestão de espaço cultural

A peça é uma versão atualizada de outro texto de Maya, Relax... It’s Sex, encenada há 18 anos. “Acrescentei duas ou três cenas, mas, em relação àquela encenação, percebi que o público hoje é mais reprimido: se escandaliza mais e, por isso, ri mais.” Por conta disso, ele fez mudanças curiosas, como eliminar a nudez na cena de sauna masculina. “Há duas décadas, era uma provocação que hoje não faz mais sentido.”

+++ Larissa Manoela estrela 'A Noviça Rebelde'

Já a modernidade inspirou o esquete do sexo virtual. “Hoje, especialmente os mais jovens, se relacionam por esse meio, sem contato físico, o que transforma a relação sexual”, conta Maya, que compôs duas canções e partiu de outras, da Broadway, para construir versões.

+++ 'MPB - Musical Popular Brasileiro' revive o irônico humor do teatro de revista

Há assuntos delicados, porém, que ficaram de fora, como o assédio sexual. Maya, que também tem uma longa carreira de diretor na televisão, acredita que o brasileiro trata o assunto de forma peculiar. “Qualquer abuso é condenável, mas nossa sociedade transita com mais liberdade em terrenos como a cantada.”

+++ Inspirado em Chiquinha Gonzaga, Ballet Stagium apresenta 'Fon Fon!'​

RELAXA QUE É SEXO

Teatro Nair Bello. Shopping Frei Caneca. R. Frei Caneca, 569, 3º andar. Tel.: 3472-2414. 6ª e sáb., 21h. Dom., 19h. R$ 80. Até 1/4.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.