Divulgação
Divulgação

Musical 'Gabriela', inspirado em Jorge Amado, estreia de olho no mercado externo

Espetáculo aposta na teatralidade das cenas e em quase 30 canções que se inserem na dramaturgia

Ubiratan Brasil, O Estado de S.Paulo

08 de junho de 2016 | 04h00

Um observador atento acompanhava o ensaio de Gabriela, Um Musical, na semana passada, no Teatro Cetip, mesmo local onde o espetáculo estreia nesta quinta-feira, 9. Há duas semanas em São Paulo, o irlandês Kevin Wallace assiste todos os dias aos ensaios, saboreando o processo criativo pouco usual do diretor João Falcão, baseado em experimentações que podem se prolongar até próximo do início da temporada - procedimento já incorporado pelo elenco.

“Kevin preferiu ver alguns ensaios antes de conversar comigo”, conta o encenador. “Depois, ele fez apenas algumas sugestões para ajustar o musical ao esquema da Broadway, sem, contudo, modificar minhas ideias originais”, afirma ainda.

As pequenas aparas têm finalidade - produtor de montagens como a versão musical de O Senhor dos Anéis e de um revival de Jesus Cristo Superstar, além de ter sido parceiro de Andrew Lloyd Webber em espetáculos como Celebration, Wallace cuidará da negociação dos direitos da montagem de Gabriela para o mercado exterior, notadamente o norte-americano. “Acreditamos que esse romance de Jorge Amado é muito conhecido lá fora, o que pode facilitar produções estrangeiras”, comenta Almali Zraik, da Caradiboi Arte e Esportes, a produtora brasileira. 

João Falcão acalenta o desejo de montar uma versão teatral do romance Gabriela, Cravo e Canela, de Jorge Amado, há muitos anos. “Desde quando vi a primeira novela inspirada no livro, em 1975”, conta ele, que só começou de fato a trabalhar no projeto em 2008, com o interesse do produtor irlandês Kevin Wallace, da Tempo Entertainment. Na época, o espetáculo foi inscrito nas leis de incentivo fiscal e autorizado a captar R$ 9,4 milhões, mas a produção ficou em suspenso até ser retomada no fim de 2015 - João Falcão preferiu não abrir mão de nenhuma etapa de seu processo criativo.

É justamente essa forma inusitada (para os outros) de trabalho o grande trunfo de Gabriela, Um Musical - isso porque o espetáculo, agora orçado em R$ 2 milhões, estreia sem patrocínio, dependendo principalmente do retorno de bilheteria. 

João Falcão é o artista que se prende mais às artimanhas da criatividade que à rigidez das regras fixas. Por causa disso, no início do processo, não se preocupou em definir o papel que cada ator interpretaria na peça - com exceção da bela Daniela Blois, escolhida em audição para o papel principal. “É um trabalho conjunto: eu ofereço uma ideia e os atores retribuem com outra. Assim, vamos aos poucos descobrindo os caminhos e cada um vai ocupando um espaço”, comenta ele que, até a semana passada, ainda não tinha desenhado o fim do espetáculo.

Mas, nada de pânico - depois de uma ligeira desconfiança inicial, os atores que ainda não conheciam o método João Falcão descobriram a vantagem (e o risco) de se criar sem amarras. Um desafio mesmo para os mais experientes, como Leo Bahia, que já trabalhou com o diretor na Ópera do Malandro. “João gosta de trocar estímulos”, conta o ator, que vive com precisão o tímido professor Josué.

Nesse jogo, a encenação torna-se valorizada e os jogos teatrais predominam. Assim, longe de uma encenação naturalista, a imaginação do público é constantemente acionada. Para isso, uma cenografia abstrata faz uso de muitas armações de metal e também de esteiras rolantes. “É um detalhe aparentemente simples, mas que traz incríveis soluções para momentos vividos dentro de um barco ou mesmo quando os personagens cruzam com outros ao caminhar pela vila”, observa o ator Luciano Andrey. 

Falcão conseguiu também um ponto essencial para a peça: a representação da naturalidade de Gabriela a partir da inexperiência de Daniela Blois. “Ele me deixou livre durante quase todo o processo”, conta ela, que só nas últimas semanas é que recebeu as primeiras orientações. “No começo, Dani representava como se fosse para a TV. Daí só precisei abrir para o palco”, conta Falcão, que montou a trilha com obras de autores como Dorival Caymmi (Vatapá), Milton Nascimento (Cais) e Marisa Monte (Vilarejo), entre outras.

GABRIELA, UM MUSICAL

Teatro Cetip. Rua dos Coropés, 88. Tel. 4152-9370. 5ª e 6ª, 21h; sáb., 17h e 21h; dom., 18h. R$ 60 / R$ 190. Estreia 9/6. Até 7/8.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.