Phile Deprez/Divulgação
Phile Deprez/Divulgação

Mostra Internacional de Teatro tem peças de 6 países

Ligeiramente menor que as edições anteriores, quarta edição da MITsp terá obras sobre racismo e política

Leandro Nunes, O Estado de S.Paulo

06 de fevereiro de 2017 | 19h30

2017 não seria um bom ano para a Mostra Internacional de Teatro de São Paulo. Até dezembro do ano passado, o curador Antônio Araújo conta que a programação da quarta edição estava magra. “Nós só tínhamos três peças confirmadas e um grande recuo no patrocínio. O próximo passo seria congelar o projeto para 2018.” 

De lá para cá, muita coisa mudou, o que permitiu a inserção de mais sete montagens que completam a agenda que se estenderá de 14 a 21 de março. “De qualquer forma, fazer a mostra continua sendo um ato de resistência”, acrescenta. 

As dez montagens compreendem seis países e podem ser divididas em três eixos, explica Araújo. O primeiro dá prosseguimento à investigação de linguagens iniciada desde a primeira edição, em 2014. Avante, Marche (Bélgica), do coreógrafo Alain Platel e o diretor Frank Van Laecke, é a peça de abertura, no Teatro Municipal. Ao lado dela, estão Por Que o Sr. R. Enlouqueceu? (Alemanha) e Para que O Céu Não Caia (Brasil). “São obras que perseguem um hibridismo com a música, cinema e outras linguagens”, conta.

O próximo eixo ampara espetáculos que discutem a questão do negro e racismo, representados em Black Off (África do Sul) e nas estreias nacionais Branco – O Cheiro de Lírio e Formol, com direção de Alexandre Dal Farra, e A Missão em Fragmentos: 12 Cenas de Descolonização em Legítima Defesa, dirigida por Eugenio Lima. “São obras que encaram o racismo ampliando os olhares a partir de cada artista.” 

Por fim, o último eixo é dedicado ao teatro documentário com Mateluna (Chile), uma continuação de Escuela, de Guillermo Calderón, que esteve na primeira edição da MITsp e que refletia sobre guerrilha urbana na década de 1980. O trabalho do libanês Rabih Mroué estreia na programação com os espetáculos Revolução em Pixels, Tão Pouco Tempo e Cavalgando Nuvens, peças desejadas desde a primeira edição. “Mroué tem um intenso estudo com imagens ligadas à política e ele merece essa mini mostra”, diz Araújo. 

MOSTRA INTERNACIONAL DE TEATRO DE SÃO PAULO. Vários lugares. 14 a 21/3. R$ 20 / R$ 10. http://mitsp.org/2017

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.