Leekyung Kim
Leekyung Kim

‘Lela & Cia’ retrata episódios de violência contra a mulher em um palco repleto de vozes masculinas

Com texto da britânica Cordelia Lynn, a atriz Malu Bierrenbach precisa superar um coro que quer silenciar a personagem

Leandro Nunes, O Estado de S.Paulo

26 de setembro de 2019 | 14h54

Quando a peça Entre estreou no primeiro semestre deste ano, o grupo Barracão Cultural demonstrou um exemplo de que o teatro pode ampliar os sentidos no que diz respeito ao debate de assuntos como violência contra a mulher. Diferente de uma cobertura jornalística, é do interesse do palco alcançar um outro tipo de comunicação com a plateia, coisa que a força do protesto nem sempre alcança.

Nessa mesma vereda vai o espetáculo Lela & Cia, projeto idealizado pela atriz Malu Bierrenbach com texto da autora britânica Cordelia Lynn. “Ela se inspirou em uma história real. No caso de uma mulher que sofreu vários tipos de violência”, explica a atriz.

Na concepção de um ambiente ordinário, a mulher interpretada por Malu narra os episódios de sua vida - quase - comum. Entre os móveis da sala e as paisagens nas redondezas da casa, a personagem descobre a si em meio à interferência masculina. Sua infância rodeada por homens e os conflitos surgidos lá vão acompanhar a vida da personagem, uma vida de dor. “São muitos nomes e lugares. A peça vai retratando diversos momentos em que Lela passa por situações de constrangimento até violência”, conta a atriz.

No espetáculo Entre, do Barracão Cultural, a maneira de narrar tais intervenções masculinas estava ligada à concepção da cenografia, algo que se assemelha na encenação de Lela & Cia, dirigida por Alvise Camozzi. 

A presença da personagem no centro da trama não garante que ela terá a última palavra, ou pelo menos a chance de dizer uma frase até o final. Na montagem, Camozzi espalha diversas caixas de som pelo palco por onde vão ressoar vozes masculinas. 

Em uma cena, acompanhada durante ensaio na Oficina Cultura Oswald de Andrade, Lela relembra de sua infância e do namorado da irmã, um rapaz bastante interessado em lhe fornecer experiências sexuais. “É melhor ela aprender dentro de casa, junto com alguém que a conhece, do que aprender com homens lá fora, que não a respeitariam como eu, um parente.” Em seguida, com a garota sentada em seu colo, o rapaz oferece um pirulito e pede que ela come o doce.

O tom do texto pode chocar por sua franqueza e confirmar a natureza predatória dos homens. Nessa cena em especial, a frase é dita por Conrado Caputo, ator que compartilha a cena com Malu enquanto manipula e muda de lugar as caixas.

Para o diretor, a peça conta uma história que abre a dor de uma mulher para os tempos atuais. O fato dos episódios se repetirem contribui para que muitos deles passem despercebidos. “As estatísticas só dão conta de denunciar casos que foram revelados. O que acontece com os tantos outros silenciados?”, questiona o diretor. 

Quando fala de repetição, o diretor também aponta que os personagens masculinos da peça carregam entre si um comportamento semelhante. Caputo repete o mesmo tom nas falas apesar de encarnar diferentes homens que passaram pela vida de Lela. “Percebemos que trata-se de um cultura violenta, que cultiva ódio e que se multiplica. Esses homens chegam a acreditar que estão sendo paquerados e que as mulheres estão sempre em relação a eles”, diz o diretor. 

Para compor a reação de Lela diante dos acontecimentos, a encenação acrescentou à personagem uma habilidade criativa, talvez como força de resistência aos quadros violentos. “Ao fim de cada história, Lela volta aos seus trabalho de escultura, confiando em um caminho de amadurecer e combater tamanha dor”, completa Malu. 

Lela & Cia. SP Escola de Teatro. Praça Roosevelt, 210. Tel.: 3775-8600. 6ª, sáb, 2ª, 21h, dom., 18h. R$ 20 / 10. Até  14/10.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.