RONALDO GUTIERREZ
RONALDO GUTIERREZ

Grupo Tapa faz mostra de repertório de autores do Teatro do Absurdo e estreia nova peça

‘Que Absurdo!’ reúne ‘As Criadas’, de Genet, ‘Uma peça por Outra’, de Tardieu e ‘A Cantora Careca’, de Ionesco

Leandro Nunes, O Estado de S.Paulo

19 Janeiro 2018 | 06h00

Não é difícil imaginar que a política brasileira poderia ser muito bem um gênero no mundo do poder. Para o diretor Eduardo Tolentino, as indicações de ministros condenados são exemplos do que entendemos por absurdo.

Já no teatro, o termo concebido pelo crítico Martin Esslin é motivo da mostra Que Absurdo!, com duas peças do repertório do Grupo Tapa e uma estreia. Todas apresentadas no Teatro Aliança Francesa, até 15 de abril. “De alguma maneira, trata-se de um ciclo, quando coisas que perderam o sentido há algum tempo voltam a ganhar significado. Se antes o Brasil vivia o desequilíbrio de sempre, hoje o mundo também está imprevisível, enquanto dois malucos não apertam um botão”, diz em relação às investidas nucleares do presidente dos EUA Donald Trump e do líder da Coréia do Norte Kim Jong-un. “Com a mídia, as notícias integram um outro tipo de absurdo, sobretudo na discussão das relações de poder”, afirma o diretor. 

Na programação, As Criadas, de Jean Genet, trata dessa dissimulação da realidade por duas mulheres que planejam o assassinato da patroa. “Elas não têm consciência, mas trabalham a forma simbólica do poder. Elas admiram o luxo e a vida da patroa. Desejam o objeto que as oprime.” 

+ Crítica: Em montagem para apenas 15 pessoas, grupo Tapa reinventa ‘O Torniquete’

Já em Uma Peça Por Outra, do francês Jean Tardieu, as sátiras se dão em torno da comunicação, outro elemento que suscita o sentido do gênero presente nas criações de autores como Harold Pinter, Samuel Beckett e Eugène Ionesco. “Aqui as palavras também perdem o sentido e o significado, quando passamos a falar de outra coisa, uma vez que elas não dão mais conta.”

A estreia fica por conta de A Cantora Careca, no dia 16 de fevereiro. A obra de Ionesco, também circula pela incomunicabilidade e o desconforto provocado entre as personagens. “Em um jantar, diante de um assunto sério, a família passa a discutir o azeite”, conta o diretor. O sucesso da montagem francesa é tão grande que a peça se mantém em cartaz há 60 anos, no la Huchette de Paris, e no ano passado atingiu a marca de 18 mil apresentações.

MOSTRA QUE ABSURDO! Teatro Aliança Francesa. R. Gen. Jardim, 182; 3572-2379. Até 8/2, de 4ª a dom., 20h30. De 15/2 a 15/4, 4ª a 6ª, 20h30, sáb., dom., 19h. . R$ 50 / R$ 25

Mais conteúdo sobre:
Teatro Aliança Francesa Grupo Tapa

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.