Alex Silva/Estadão
Alex Silva/Estadão

Fernanda Montenegro revê memórias de Nelson Rodrigues no Teatro Municipal

Atriz leu 'Nelson Rodrigues por Ele Mesmo' e celebrou arte como reação à unanimidade tão criticada pelo dramaturgo

Leandro Nunes, O Estado de S.Paulo

18 de novembro de 2019 | 23h43

Em sessão especial e com ingressos populares esgotados desde a tarde, a atriz Fernanda Montenegro fez leitura de Nelson Rodrigues por Ele Mesmo no Teatro Municipal de São Paulo, na noite desta segunda, 18. A obra reúne crônicas do jornalista e dramaturgo brasileiro organizadas pela filha, Sonia Rodrigues.

Antes de começar, bastante aplaudida e emocionada, a atriz contextualizou a escrita do autor. "O princípio do grupo, o Teatro dos Sete, era montar um autor brasileiro. Estávamos ainda longe da ditadura, da direita, da esquerda, e o diabo a quatro."

O grupo estreou com Beijo no Asfalto e Nelson Rodrigues só seria entendido com o Vestido de Noiva. "Ele foi por um caminho do folhetim, que amava. Que autores do século 19 não tiveram por base o melodrama? O que são as histórias de Dostoiévski, Balzac?".

Ao relembrar os pensamento do autor, Fernanda diz que o País precisa abandonar a radicalização. "Estou há 75 anos nessa vida. Trabalhei muito, minha geração também. O teatro é esse encontro entre cidadãos. É a coragem da nossa sobrevivência."

Ao fim, o diretor artístico do Municipal, Hugo Possolo, se manifestou contra o tratamento que a atriz recebeu do governo federal. Recentemente, o então diretor da Funarte, Roberto Alvim, chamou a atriz de "sórdida." 

Nas últimas semanas, Alvim foi promovido à direção da secretaria especial de Cultura, agora sob a batuta do Ministério do Turismo. "Essa pessoa não merece nossa atenção. Nao vamos deixar esse tempo de exceção voltar", disse Possolo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.