Espetáculo infantil ‘Existo!’, da Cia. La Leche, é um conto sobre a liberdade

Espetáculo infantil ‘Existo!’, da Cia. La Leche, é um conto sobre a liberdade

Com texto de Alessandro Hernandez, o espetáculo estreia nesta quinta, 20, às 11h, no Sesc Ipiranga, narrando a história de criança confinada em uma torre

Leandro Nunes, O Estado de S.Paulo

19 de junho de 2019 | 18h47

Quando uma criança tímida se depara com um pombo incapaz de enxergar, ela descobre que o novo amigo tem lições a ensinar sobre a difícil jornada de ser o que se é. Confinado no alto de uma torre, sob o abrigo de um ateliê de costura, Luan contará sua história em Existo!, que estreia nesta quinta-feira, 20, às 11h, no Sesc Ipiranga. 

No papel desse jovenzinho, o ator e autor do texto Alessandro Hernandez conta que o novo espetáculo da Cia. La Leche está repleto de perguntas sobre o mundo e as descobertas que aguardam cada criança. “Luan vive nessa torre com a mãe, uma costureira. Desde sempre, ele brinca com as roupas no ateliê. Para ele, não há diferença no que as pessoas vestem.”

Mas esse ambiente cheio de possibilidades não parece ser o bastante. Sua vida confinada na torre se configura como um “conto de fadas contemporâneo”, define a diretora Cris Lozano. “Ele costuma observar o vilarejo pela janela e se esconde com medo das pessoas. Ele sente que não será acolhido ou aceito como é.” Apesar de ser amedrontado por desconhecidos, quem vai sacudir a rotina de Luan não é da ordem dos seres humanos. “Ele vai recebe visitas inesperadas de diversos animais, como um pombo cego e uma lagartixa”, conta Hernandez, que divide a cena com Ana Paula Lopez, que faz diversos papéis. “Cada um propõe uma reflexão a ele, sobre o entendimento de si como uma criança e que ele pode escolher ser o que quiser.”

Cris afirma que a missão de um teatro infantil também inclui a participação dos pais como parte da plateia. “Além de provocar a imaginação das crianças, é sempre importante abrir o coração dos pais.” 

A história de Luan e sua busca por uma identidade é destinada para crianças a partir dos sete anos. “Com crianças menores, de cinco anos, por exemplo, brincar com roupas e objetos dos pais ainda está no campo da brincadeira. Mais tarde, em idade escolar, a percepção muda. O novo ambiente e os colegas podem realçar as diferenças e a identidade estará em jogo”, explica Cris.

O tema da educação também já foi investigado pela companhia. Em 2016, Hernandez assinou a dramaturgia de Salve, Malala!, peça que fez carreira no auge do movimento de ocupação organizado pelos estudantes secundaristas do País. Inspirada na história da formidável ativista paquistanesa, a Nobel da Paz Malala Yousafzai, a montagem dirigida por Cris ampliava o debate nacional a partir da difícil trajetória de dois jovens estudantes que trilhavam um longo caminho – marcado pelo estrondo de bombas – para chegar até a escola. “Defender a educação também é uma forma de continuar existindo, como Malala insistiu”, ressalta a diretora.

Durante a temporada, a dupla de estudantes da peça defendia o ensino de matérias como História e Filosofia. Em uma cena, artistas mambembes desembarcavam na cidade inspirando toda a comunidade. “Em Existo!, a peça vai focar as possibilidades de ser do indivíduo, na escola, na família e na sociedade”, explica o autor. 

A diretora acredita que o novo espetáculo cumpre o desejo de burlar os rótulos tão aceitos no mundo adulto e oferecer espaço de invenção. “Para além dos termos, do que significa vestir determinadas roupas e cores, o espetáculo reconhece as diferenças e resguarda a importância da liberdade para todas (as crianças), para que elas construam seu futuro.”

Sesc Ipiranga. R. Bom Pastor, 822. Tel.: 3340-2000. 5ª (20) e dom. (23), 11h; 3ª (25), 4ª (26) e 5ª (27), 10h30 e 14h30. R$ 17. Até 27/6.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.