Amanda Perobelli/Estadão
Amanda Perobelli/Estadão

Em 'Os Produtores', Miguel Falabella retoma o humor aloprado de Mel Brooks

Musical com Danielle Winits e Marco Luque satiriza os bastidores da produção de um espetáculo

Ubiratan Brasil, O Estado de S.Paulo

19 Abril 2018 | 06h00

A agenda de Miguel Falabella surpreende pela variedade - enquanto inicia o processo de edição de Veneza, seu novo longa estrelado por Carmen Maura e rodado na Itália e no Uruguai, e também se prepara para comandar o espetáculo Annie, o Musical, que estreia no segundo semestre, o ator/diretor/escritor deu o último toque na tradução de peça Mordidas, que inicia temporada no Rio neste fim de semana, além de já acumular 86 páginas do livro autobiográfico Eu as Tive em Meus Braços, em que vai relembrar momentos emocionantes que desfrutou ao lado de divas como Marília Pêra, Maria Clara Machado e Nathalia Timberg, entre outras, e ainda terminar o esboço de uma minissérie que pretende apresentar para Gloria Perez, a teledramaturga que cuida dessa área na Globo. Não bastasse tudo isso, Falabella arrumou uma brecha para dirigir e estrelar Os Produtores, musical que estreia nesta sexta-feira, dia 20, no Teatro Procópio Ferreira.

+++ Musical 'Os Produtores' volta com Miguel Falabella, Danielle Winits e Marco Luque

“Tenho um carinho especial por esse espetáculo, que já comemorou dez anos da primeira montagem no Brasil”, conta Falabella, lembrando da versão que comandou em 2007. E, se naquela época, dividiu o palco com Vladimir Brichta e Juliana Paes, agora seus parceiros são Danielle Winits e Marco Luque. Versão da peça The Producers, grande sucesso de Mel Brooks, Os Produtores acompanha as artimanhas de Max, velha raposa do mundo teatral que tenta enriquecer ao montar um musical destinado ao fracasso. “O humor feroz continua atual”, observa Falabella.

+++ Miguel Falabella filma seu novo longa, 'Veneza', no Uruguai e na Itália

Miguel Falabella assistiu à montagem americana de The Producers em agosto de 2001, em Nova York. “Dias depois, as torres do World Trade Center foram alvo do ataque terrorista e a cidade ficou em polvorosa”, conta ele, que saiu do espetáculo já rascunhando mentalmente a tradução das letras das canções. “Os versos são engenhosos e se encaixam bem em português. Eu já queria montar no Brasil, mas, na época, ainda não havia produtores interessados em musicais.”

+++ Miguel Falabella: 'Só entendo o Brasil no delírio'

Foi Sandro Chaim quem levantou o projeto em 2007 e volta a assinar a produção da versão que estreia na sexta-feira, 20. Falabella fez poucas modificações no texto montado há 11 anos. “Enxuguei alguns trechos para melhorar a agilidade, mas a essência do humor cáustico de Mel Brooks sobressai e está preservada.”

Em 2001, Brooks transformou em musical um de seus sucessos do cinema, The Producers, de 1968, que, no Brasil, chamou-se Primavera para Hitler. Trata-se da trajetória de um outrora famoso produtor de musicais, Max (Falabella), que, decadente, se sustenta namorando velhinhas endinheiradas. Até que seu contador, Leo (Marco Luque), descobre sem querer o caminho para ficar rico: produzir um espetáculo destinado a ser um grande fracasso e que sairá de cartaz no primeiro dia. Os dois embarcam no projeto e, para isso, escolhem um musical sobre a época nazista, Primavera para Hitler. Para dirigi-lo, escolhem o “pior diretor de todos os tempos”, o afetadíssimo Roger de Bries (Sandro Cristopher). À dupla, se une Ulla (Danielle Winits), candidata a assistente por quem Leo se apaixona e que se torna a atriz principal, além de secretária e recepcionista. Quando tudo parece estar dando certo, o espetáculo se revela um grande sucesso e a dupla vai para a cadeia.

+++ Musical de Miguel Falabella celebra um grande mistério da mente humana

“Saí de uma zona de conforto, depois de 12 anos fazendo solos”, conta Marco Luque, que estreia em musicais de forma retumbante. “Faço muitas aulas de canto desde novembro, pois tenho quatro canções muito exigentes.” Veterana no gênero, Danielle curiosamente assume o papel que era seu há uma década. “Deixei de fazer Ulla na primeira montagem porque engravidei”, conta. “Mas trago ainda características que pensei em destacar, como uma falsa ingenuidade dela.”

Um requinte da atual versão é o trabalho corporal criado por Fernanda Chamma e a coreografia de sapateado a cargo de Felipe Galganni, especialista que vive há oito anos nos EUA. “Criamos passos mais dançantes e menos percussivos, o que dá mais leveza à dança”, observa Fernanda. “Um sapateado clássico, com linguagem Broadway”, completa Galganni. Para isso, a dupla cuida de detalhes como microfonar os sapatos.

E, para alcançar a sonoridade esperada, eles contam com a colaboração do diretor musical Carlos Bauzys. “O diálogo entre orquestra e sapateado é essencial: é preciso um entendimento das frases musicais entre ambos”, comenta. “No número Primavera para Hitler, por exemplo, há uma mistura de suingue com a música religiosa do Harlem toda costurada com palavras.”

Bauzys reviu vídeos da primeira montagem para agora fazer novos ajustes. “Miguel, por exemplo, está com uma voz mais grave, o que exige uma adaptação da orquestra, que vai se apresentar ao estilo big band dos anos 1940, unindo virtuosismo com o erudito.”

ENTREVISTA - MARCO LUQUE

Como é sua preparação para estrear em musical?

Muito aplicada. Tenho tido aulas constantes de canto, o que melhorou muito minha performance. Pelo retorno que recebo dos colegas, acho que não vou desapontar.

E seu personagem, Leo?

É muito parecido comigo. Sempre fui tímido, como ele é. Quando era criança, eu gaguejava. Na escola, nunca fui um dos mais populares e só fui namorar aos 18 anos. Mas, como Leo, consigo deixar isso para trás por meio da arte. Não sou o galã, sou o palhaço.

Como surgiu o convite para o espetáculo?

Eu me encontrei com o Miguel (Falabella) no programa Altas Horas e ali percebemos que havia uma afinidade no humor. E, quando fui convidado para trabalhar em Os Produtores, percebi que era uma grande chance na carreira.

Você já cantava?

Não profissionalmente. Gravei algumas músicas baseadas em meus personagens, com produção do Rick Bonadio, mas claro que não tinha o tamanho de uma produção como essa.

OS PRODUTORES

Teatro Procópio Ferreira. Rua Augusta, 2.823, tel. 3083-4475.5ª e 6ª, 21h. Sáb., 17h e 21h. Dom., 15h30. R$ 75 a R$ 250. Até 1º/7

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.