MICAELA WERNICKE
MICAELA WERNICKE

Em 'Heather', julgar um livro pela capa pode ser tão perigoso quanto os segredos de um autor

Texto do inglês Thomas Eccleshare ganha encenação de Marcio Aurelio, na programação do 23º Cultura Inglesa Festival

Leandro Nunes, O Estado de S.Paulo

01 de junho de 2019 | 03h00

Adentrar a sala de ensaio de qualquer artista experiente é estar entre a fascinação do bastidor e a percepção do inconveniente. A longa experiência de diretores teatrais, como Marcio Aurelio, costuma ser construída durante meses no subterrâneo, para criar uma única obra. Na contramão de políticos e influenciadores digitais do País, não há selfies ou transmissões ao vivo que deem conta da construção de um trabalho que nasce para ser público. Assim, também não há como antecipar aplausos para uma sala de ensaio. 

Heather, espetáculo que estreia neste sábado, 1.º, no Teatro Cultura Inglesa, trata das mesmas brechas e segredos dos bastidores. A peça dirigida por Marcio Aurelio faz uma interessante incursão no texto do dramaturgo inglês Thomas Eccleshare, com a Cia Razões Inversas, na programação do 23º Cultura Inglesa Festival.

À primeira vista, é preciso apenas dizer que a peça investiga os conflitos entre artistas, suas obras e a recepção do público. “A história é sobre uma escritora de livros infantojuvenis que vive reclusa. Sua relação com o editor muda diante do sucesso das publicações”, aponta o diretor. 

O velho ditado de não se julgar um livro pela capa perde sentido aqui quando escândalos envolvendo os autores colocam suas obras contra a parede. Não faltam exemplos. Por outro lado, os bastidores nunca foram tão fascinantes para os fãs.

No caso da literatura, essa sensação pode ser menos espetacular. A rotina de escritores não é glamourosa e, como no teatro, não nasceu para a tela dos celulares. Mas nada disso garante sossego, por exemplo, ao autor de Game of Thrones. A ameaça de que George R. R. Martin não consiga terminar sua saga de gelo e fogo, por questões de saúde, criou nos fãs o pavor de que o portal da fantasia possa se fechar para sempre, ou como quando Harry Potter dá de cara com a parede dura da Plataforma 9¾. “A própria escritora J. K. Rowling passou por essa pressão e perseguição por parte dos fãs quando sua saga começou a dar certo. Eles querem sempre mais”, lembra a atriz Laís Marques, que vive a personagem-título da peça. “Por um tempo, ela até chegou a usar pseudônimos, mas eles foram sendo descobertos um a um.”

É nesse intervalo entre a fome dos fãs e a vontade de camuflar identidades que o texto de Eccleshare se apoia. Ele cria um tipo de suspense cheio de pistas falsas que servem como grandes surpresas na encenação de Aurelio. O diretor segue a pesquisa iniciada lá no início da companhia Razões Inversas, em 1990, mas é Agreste (2004) que vem à mente do ator Paulo Marcello, que interpreta o editor das publicações de Heather. “Desde o início, não queríamos representar personagens. Isso é muito difícil de conseguir, sem fugir da história ou das características do texto.” Em Agreste, ele esteve no palco ao lado de João Carlos Andreazza, na peça de Newton Moreno, no papel de um – diferente – casal de lavradores. “No fim da peça, muitas pessoas ficavam chocadas com a revelação trazida na identidade do casal”, explica. “O texto de Eccleshare”, ele justifica, “nos permite um intercâmbio muito interessante entre personagens e estilos de texto.”

No ensaio acompanhado pela reportagem, Heather não foge de uma história que pode ser perfeitamente real e aposta em um estilo de dramaturgia dividido em blocos. Para Aurelio, trata-se de uma escrita que “tem uma retórica autônoma”. “Na primeira parte, acompanhamos a conversa da escritora e do editor, a seguir eles se conhecem pessoalmente e, na última parte, testemunhamos um trecho do livro inédito. É pura imaginação.” 

De fato, é impossível não lembrar dos capítulos mágicos de Harry Potter, com batalhas de varinhas, faíscas metálicas voando e destruição ao redor (leia abaixo). Laís sugere ao público atenção a todos os detalhes, até mesmo ao trecho de caráter mais narrativo e de invenção ficcional. “É como estar na cabeça de um artista e compreender suas motivações e para onde seus sentimentos apontam, mesmo que seja para as sombras. Pode não ser muito agradável, mas é uma saída.” 

'O Teatro não se pega em uma estante', diz Marcio Aurelio

Diretor de Heather, ele aponta que o caminho do teatro ultrapassa as palavras e é mais corrosivo que elas

Garantir que o resultado de seu trabalho seja considerado teatro pode parecer estranho quando dito por um diretor teatral. Aliás, um palco, um texto e um intérprete não garantem uma peça? Para Marcio Aurelio o caminho de construção de um espetáculo segue por vias adversas. “Nos textos de Heiner Müller (dramaturgo alemão), por exemplo, percebemos que é preciso demolir um texto ou você fará um arremedo de teatro.”

A afirmação que é o terror dos dramaturgos ganha outras compreensões nas mãos do diretor. Ele usa com exemplo O Auto da Compadecida. “Na história, as personagens se relacionavam com a ficção e acabavam interferindo na realidade.” Esse movimento na cena é o que está no imaginário do artista formado em biblioteconomia e nascido em Piraju, em 1948. “Não se trata de dizer um texto, ou perseguir suas intenções. Uma peça precisa criar estados. No início não tem nada, mas aos poucos vai-se elaborando”, continua. “Não é na estante que o público vai buscar uma peça. É no teatro.”

Em Heather, o diretor transmite seu prazer no texto de Eccleshare. “O autor recupera um pensamento do poeta italiano Torquato Tasso, no século 16, sobre a propriedade de uma obra. Quem é o dono? O autor ou o financiador?” Nos dias de hoje, com os incontáveis agentes envolvidos na criação, a equação não é nada simples. “A ambiguidade do texto vai exigir das personagens uma postura que atingirá tanto o que há de mais trágico na vida quanto aquelas ideias consideradas simples ou inocentes. Palavras que cabem num livro.”

Trecho

"Você devia saber melhor que ninguém, Greta, que a morte não é tão simples assim. Desde a primeira vez que nos vimos, nos corredores da Loja de Relógios do Rossini. Você sabia, eu tô viva, Greta, porque eu vivo em você. Eu existo porque eu existo em você. Você acha que é uma coincidência que eu tenha uma caneta igual a sua? Acha que é coincidência termos nos conhecido um dia depois do seu pai ter morrido? No dia que você herdou a Caneta da Necromante. Greta, eu sou sua... SOMBRA!”

HEATHER. Teatro Cultura Inglesa. R. Dep. Lacerda, 333. Tel.: 3032-4888. Sáb., 21h, dom., 19h. Estreia hoje, 1°. Até 2/6. Grátis. 

Tudo o que sabemos sobre:
Cultura Inglesa Festival

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.