CAIO GALLUCI
CAIO GALLUCI

Em 'As Brasas', Herson Capri e Genézio de Barros lutam por amizade

Romance do autor Sándor Márai retrata o reencontro, nem sempre amistoso, de conhecidos de longa data

Leandro Nunes, O Estado de S.Paulo

05 Outubro 2018 | 06h00

Na sala de um casarão, dois senhores estão reunidos. Após uma ventania, um raio danifica a central elétrica do local. Este é o ambiente mais que teatral de As Brasas, romance do escritor húngaro Sándor Márai, recém-descoberto no Brasil. 

A montagem em cartaz no Sesc Santana traz os atores Herson Capri e Genézio de Barros no papel de Henrik e Konrad, amigos desde a infância, que se reencontram após 41 anos. Na obra, os dois velhos militares estão no casarão escuro iluminados pelas velas dos candelabros e pelas brasas da lareira, que resistiram a noite inteira e estão quase virando cinzas. No passado, os homens se conheceram numa escola militar e tornaram-se amigos inseparáveis. Eles não se veem desde que Konrad desapareceu após uma caçada na floresta nos arredores do castelo de Henrik, em 1899, na Hungria. “Quando li o texto, reconheci sua forte vocação teatral, colocando esses homens para revisarem suas histórias confinados em um ambiente”, conta Duca Rachid, responsável pela adaptação para o palco, ao lado de Julio Fischer. “Eles viviam em um império e o contexto é de uma amizade que ultrapassa duas guerras. Como naquela época, os conflitos tendem a tornar as coisas decadentes e o valor da amizade é debatido como uma força capaz de ultrapassar as diferenças.” 

Marái nasceu na cidade de Kassa, e é autor de 46 livros, entre romances e poesia. Grande parte de sua produção foi banida de seu país, por 40 anos. O inconformismo do autor o levou ao exílio. Ele morou na Suíça, França, Itália até se fixar na Califórnia. Lá, atirou na própria cabeça, aos 89 anos, às vésperas da derrocada do comunismo europeu. Além de As Brasas, publicado pela Companhia das Letras, em 1999, outros nove títulos do autor já foram lançados no Brasil. 

Diante de um escritor que hoje é reconhecido por seu país, a história da dupla de militares da peça guarda um segredo que remonta ao dia da caçada, e que movimenta toda a trama. Seu nome é Kriztina, mulher do general Henrik e amiga de infância de Konrad. “Além da questão da amizade e do amor, do erotismo, existem narrativas sobre a finitude, e dos caminhos que a vida toma, muitos sem que a gente se dê conta”, lembra Duca. “Os homens projetam suas imperfeições, e tudo que ainda não conseguiram entender, na musa.” Mesmo assim, Genézio conta que a trama não trata do drama de uma traição. “Há um código nessa amizade que entende a amizade como um laço de sangue.”

Ele acrescenta que a dupla está diante de conflitos em várias frentes. “A aristocracia da época está se desmantelando. O personagem de Capri foi criado nesse ambiente, que formou sua identidade e valores.”

Na encenação de Pedro Brício, a música tem trilha sonora ao vivo executada pela violoncelista Nana Carneiro que também diz as falas femininas do texto. 

A estreia de Duca nos palcos incentivou a novelista a pensar novas propostas para o teatro. “Fiquei entusiasmada. É tudo muito diferente da novela e de projetos concebidos na televisão.” Em 2005, ela e Fischer escreveram a temporada de Sítio do Picapau Amarelo, a primeira versão escrita em formato de novela. Agora, ela está na fase de produção da novela das seis Filhos da Terra, que estreia na TV Globo em março do ano que vem, em parceria com Thelma Guedes. Juntas elas já assinaram as novelas Cama de Gato, Cordel Encantado, Joia Rara e Ligações Perigosas. “Agora estamos na escolha do elenco, pensando na trilha sonora. Logo mais será dedicação total.”

Genézio também festeja a temporada de Monstro, solo inspirado no conto de Sérgio Sant’Anna que fez temporada no Teatro Vivo. A trama retrata a vida de um filósofo com hábitos comuns à primeira vista. Ele namora uma executiva e, juntos, são seduzidos por uma jovem. O espetáculo deve voltar em cartaz, ainda sem data confirmada. “Monstro é daqueles espetáculos que o artista pode guardar no bolso e levar para onde quiser.”

AS BRASAS. Sesc Santana. Av. Luiz Dumont Villares, 579. Tel.: 2971-8700. 6ª, sáb., às 21h, dom., às 18h. R$ 30 / R$ 15. Até 4/11

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.