Renato Mangolin
Renato Mangolin

Dos à Deux cria réplicas do amor em 'Gritos'

Aos 19 anos, a companhia franco-brasileira divide corpos e marionetes para criar histórias sobre os muros de intolerância levantados na sociedade

Leandro Nunes, O Estado de S.Paulo

10 Março 2017 | 03h00

A dupla cidadania da companhia criada por André Curti e Artur Luanda Ribeiro foi o passaporte que deu acesso para o trabalho da Dos à Deux em terras francesas, no Brasil e no mundo. Desde 1998, a dupla de artistas tem explorado em suas criações a construção de imagens e histórias que brotam do corpo. Nesta sexta, 10, o grupo estreia Gritos, no Centro Cultural Banco do Brasil. 

De maneira diferente de Irmãos de Sangue, último espetáculo da companhia – que reunia um elenco brasileiro e um francês em circulação com a história sobre três irmãos que fantasiavam sobre a vida adulta –, Curti explica que a nova montagem marca o reencontro com Ribeiro em um duo no palco, desde a primeiro trabalho que batizou o grupo. 

Dessa vez, o amor e suas formas variadas foram o impulso para a criação de três histórias. “São como pequenos gritos poéticos que ecoam no mundo de hoje, cheio de tantas urgências.” O primeiro retrata a vida da travesti Louise e sua relação com a mãe, que perpassa a compreensão da própria condição.

A história seguinte traz a cena inusitada de um homem que perdeu a cabeça e como fará para reencontrá-la. Por fim, um muro feito com colchões de mola abre a discussão política e afetiva sobre intolerância. 

Ribeiro conta que os atores se dividem no palco com versões de si mesmos. Eles construíram duas marionetes humanas em tamanho natural, com os rostos de cada um. “Durante a criação, cortamos seus braços e pernas e nos dividimos com elas”, explica.

Ao construir os quadros de cada história, sobram cabeças e membros que se combinam com a coreografia dos atores. Na verdade, Curti ressalta que quem guia a encenação são as marionetes fracionadas. “O nosso corpo está a serviço dessas partes, cada gesto é muito contido buscando compreender o funcionamento do conjunto.”

GRITOS. Centro Cultural Banco do Brasil. Rua Álvares Penteado, 112. Tel.: 3113-3651. 6ª, sáb., e 2ª, 20h, dom., 19h. R$ 20 / R$ 10. Até 24/4.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.