Rodrigo Veneziano
Rodrigo Veneziano
Imagem João Wady Cury
Colunista
João Wady Cury
Palco, plateia e coxia
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Dario Fo mira São Francisco

Texto do dramaturgo italiano, 'Francisco, o Bobo da Corte Sagrado' chega ao palco do Centro Cultural Banco do Brasil paulistano no dia 8 de agosto, dirigido por Neyde Veneziano

João Wady Cury, O Estado de S. Paulo

04 de julho de 2019 | 02h00

Dario Fo (1926-2016), dramaturgo, não era bolinho. Ateu com crachá e bandeirinha em punho, tinha lá sua queda pela igreja católica. Não é à toa que várias de suas obras transitam pelos corredores do Vaticano, como O Papa e a Bruxa, ou abordam o tinhoso, como O Diabo com Tetas. De bobo ele não tinha nada – aliás, inesquecível o seu texto Francisco, o Bobo da Corte Sagrado. E é este mesmo São Francisco, nascido em Assis, na Itália, que chega ao palco do Centro Cultural Banco do Brasil paulistano dia 8 de agosto. Na peça do beato italiano está Paulinho Goulart, dirigido por Neyde Veneziano. Os ensaios de Francisco começaram por Skype no mês passado, mas esta semana estão se tornando presenciais. 

FO E MONTAGNER 

A diretora conheceu o dramaturgo italiano pessoalmente. Melhor, passou uma temporada com Dario Fo e Franca Rame, sua mulher e parceira na dramaturgia das peças, para uma série de estudos sobre a obra da dupla que resultou em um livro. “Eram duas pessoas brilhantes e sempre provocadoras”, conta Neyde. O projeto de Francisco começou há cinco anos, mas acabou sendo interrompido. Quem atuaria no monólogo seria o ator Domingos Montagner, morto tragicamente em 2016. Neyde Veneziano já havia dirigido o ator em outra peça de Fo, Mistério Buffo, por isso decidiram repetir a dobradinha. Depois da morte de Montagner, só recentemente Neyde decidiu retomar o projeto, agora com Goulart. Detalhe: Domingos Montagner e Dario Fo morreram ambos em 2016, com um mês de diferença. Montagner em 15 de setembro e Fo em 13 de outubro.  

FARTURA DE FESTIVAIS 

Este ano dois importantes festivais de teatro brasileiros completam aniversário em forma de números redondos – o que, teoricamente, poderia representar absolutamente nada. Mas tanto o FIT de São José do Rio Preto, 50 anos, como o Cena Contemporânea, de Brasília, 20 anos de existência, têm sua importância por descentralizar a produção teatral do Rio e de São Paulo para suas regiões, além de levarem atrações internacionais e de outros cantos do País. É o caso do Cena, que dentre as 14 peças do festival levará a Brasília em agosto a trupe espanhola La Zaranda para a apresentação da montagem de O Desmanche das Musas (foto acima). 

BOI VOADOR  

O projeto Boi Vagamundo, do grupo Clowns de Shakespeare, está prestes a alçar voo em duas semanas para apresentações e residências com artistas no Peru, Equador e na Colômbia nos meses de julho, agosto e outubro. A companhia busca conhecer as festas populares locais que tenham o mamífero bovino como motivo de tudo na vida. Quase poesia.

3 PERGUNTAS PARA...

Ricardo Bittencourt - 

Ator e diretor, é pai de Zeus.

 1. O que é ser ator?

É uma obsessão pelo outro, mergulho nos abismos. Mas também a capacidade de transcender e iluminar. Apoteose da exposição, o esplendor da comunicação.

2. Se não fosse ator?

Seria somente pai.

3. Como gostaria de morrer em cena?

Morrer no palco não é uma opção. Mas na cena do bacanal de As Bacantes, do Oficina, não seria um mau destino.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.