Crítica: 'Um jeito de Corpo' mostra intensidade artística, mas também fragilidade

Ousadia e criatividade são as metas para 2018 do Balé da Cidade

Fernanda Perniciotti, Especial para O Estado de S. Paulo

27 de março de 2018 | 06h00

‘Caetanear’ foi o verbo escolhido pelo Balé da Cidade de São Paulo (BCSP) para a estreia de 2018, ano em que a cia completa 50 anos. Um Jeito de Corpo – Balé da Cidade Dança Caetano, coreografia de Morena Nascimento, esteve em cartaz no Teatro Municipal.

No cinquentenário, o BCSP continua a mudança que começou no ano passado, quando Ismael Ivo assumiu a sua direção. A atual fase da cia paulistana é nomeada pelo secretário de Cultura do município, André Sturm, como mais “criativa, ousada e intensa”.

A estreia de Ivo se deu em março de 2017, com uma coreografia sua, Risco; nesta segunda produção, Um Jeito de Corpo, reincidem questões que lá já se apresentavam: um investimento em efeitos, que sustentariam uma certa “intensidade artística”, mas que não escondem a fragilidade coreográfica.

Convidada para coreografar a partir do universo poético de Caetano Veloso, Morena Nascimento, bailarina mineira que integra a Pina Bausch Tanztheater Wuppertal, assina Um Jeito de Corpo. Nela, expõe um espaço coreográfico simplista, o que difere do simples, como escolha artística. Simplista, porque o trabalho parece não ser capaz de esmiuçar as possibilidades da cena, não cria tensão espacial e, assim, se organiza em deslocamentos clichês. Além disso, os solos e duos já apontam a dificuldade em explorar coreograficamente um palco da dimensão do Municipal, o que se agrava nas cenas em grupo, que facilmente poderiam ser confundidas com um flashmob, cuja potência não é, ali, investigada.

+++ Balé da Cidade comemora 50 anos com musicalidade de Caetano Veloso

O que grita, nesta nova produção, é a ausência de um olhar coreográfico capaz de compreender o que é necessário para uma cia desse porte. E essa não é uma discussão pontual. A dificuldade de coreografar para um grande elenco, nesse perfil e com esse tipo de espacialidade, é vista em todo o mundo; é cada vez mais raro encontrar coreógrafos que tenham a formação para essa função. No caso dessa estreia, o elenco fica fragilizado diante de uma proposta que não se sustenta, com exceção de alguns desempenhos individuais, como o da bailarina Marisa Bucoff, que, na qualidade do movimento, captura coesão.

Quando uma companhia oficial propõe “criatividade, ousadia e intensidade”, pode soar como oxigênio diante de estruturas enrijecidas; no entanto, é preciso diferenciar a bem-vinda aposta no risco do que se reduz a um tom publicitário, que, no palco, se desfaz no chão da cena. Em um período de brusca redução orçamentária, o BCSP parece somar à crise financeira uma crise artística, em um caminho que aparentemente não se dá conta dos seus 50 anos de história. A questão é: quando o “novo” fica somente no discurso, a tendência é transformar uma cia renomada em um laboratório, ainda pueril? Talvez seja uma reflexão necessária à equipe do Balé da Cidade de São Paulo. Aguardemos atentos os próximos passos.

‘UM JEITO DE CORPO’ MOSTRA INTENSIDADE ARTÍSTICA, MAS TAMBÉM FRAGILIDADE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.