VALERIA GONÇALVEZ/ESTADÃO
VALERIA GONÇALVEZ/ESTADÃO

Claudia Raia assume a curadoria do _Teatral, espaço no Instituto Tomie Ohtake para o conhecimento

Atriz busca atingir todas as áreas. O teatro receberá, a partir do dia 9, a continuação da temporada de 'Chaplin, o Musical'

Ubiratan Brasil, O Estado de S.Paulo

02 Agosto 2018 | 06h01

As elegantes e sinuosas linhas que marcam a arquitetura do Complexto Aché Cultural (onde funciona o Instituto Tomie Ohtake), em São Paulo, guardam um espaço interno que promete entrar em rebuliço a partir desta quinta-feira, 2, quando seu teatro de 627 lugares passará a ser conhecido como _Teatral (leia-se Espaço Teatral). Trata-se do primeiro passo de uma nova proposta de gestão, cuja direção geral será de Claudia Raia – a atriz foi convidada pela Prevent Senior, operadora de planos de saúde que buscava um teatro na cidade, para ser a responsável pela programação cultural.

Tudo começou, na verdade, com um susto. “Eles me pediram ajuda para encontrar um espaço teatral disponível na cidade e, quando consegui, fui surpreendida pelo convite para assumir o comando”, contou ela ao Estado.

“Fiquei lisonjeada e, mesmo com minha agenda complicada, decidi aceitar, pois quero pôr em prática o que penso da cultura.” Claudia é conhecida pelo talento que exibe em cena e também nos bastidores, onde atua como exímia produtora. Assim, já dotada por um senso organizacional, ela determinou os sete pilares da cultura que vão direcionar a programação do _Teatral.

“Escolhi sete atividades, que terão como curadores profissionais criativos e especializados em suas áreas”, conta Claudia, cujo convite foi recebido com entusiasmo pelos 14 artistas. O time é formado por Carlos Bertolazzi e Mariella Lazaretti (gastronomia), Ana Botafogo e Rodrigo Pederneiras (dança), Rubens Ewald Filho e Ingrid Guimarães (audiovisual), Adriana Calcanhotto e Rogério Flausino (música), Thalita Rebouças e Fernanda Souza (cultura jovem), Débora Falabella e José Possi Neto (teatro), e Felipe Andreoli e Fernanda Gentil (esporte).

“Todos me dão sugestões, buscam dados inéditos, promovem a junção do novo com o legado”, conta a diretora-geral. “Não se trata apenas de um teatro, mas de um espaço cultural.”

Assim, o teatro que já se chamou GEO e, mais recentemente, Cetip abre as portas para a diversidade, com uma programação que vai ocupar também as salas de ensaio e o saguão – é ali, por exemplo, que os espectadores, enquanto aguardam a entrada na grande sala de espetáculo, vão acompanhar a performance de artistas ainda desconhecidos. 

Claudia busca atingir todas as áreas. O teatro receberá, a partir do dia 9, a continuação da temporada de Chaplin, o Musical. “Assim, por conta desse trabalho, vamos exibir curtas de Chaplin para melhor conhecimento de seu trabalho. Também a quinta-feira será dedicada para palestras sobre criação, desde coreografia até diversos tipos de canto. Orquestras, como a de Paraisópolis, serão convidadas a se apresentar.

Adriana Calcanhotto cuida de uma Semana Portuguesa, com opções de diversas áreas. Haverá ainda de curso de música para bebês até formas de capacitação de eventos corporativos usando técnicas teatrais. “Vamos arrebatar as pessoas pelo lúdico”, diz Claudia, que já elabora a programação até o fim do ano. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.