CIA. BASE
CIA. BASE

Cia. Base flutua nas alturas com dança vertical

Espetáculo urbano ‘Corpos Sustentáveis’ traz 18 artistas pendurados por guindastes na Praça Roosevelt

Leandro Nunes, O Estado de S.Paulo

10 Outubro 2018 | 06h00

Suspenso por guindastes a alguns metros de altura, a Cia. Base apresenta seu espetáculo Corpos Sustentáveis nesta quinta, 11, a partir das 16h, na Praça Roosevelt. A apresentação integra a programação do festival Satyrianas.

A Cia. Base que tem nove anos de existência realiza montagens que utilizam a arquitetura urbana como principal elemento de suas criações. Com técnicas que unem circo aéreo, dança e teatro, a Cia. Base é um dos principais coletivos com foco em uma coreografia verticalizada, já que acompanha grandes estruturas da cidade, como fachada de prédios. Neste ano, o grupo se apresentou na Virada Sustentável no meio da Avenida Paulista, a 50 metros de altura. 

Diante de um desafio como esse, o preparo físico é essencial para execução dos movimentos. O grupo também alia ao aprendizado as ideias do guru armênio George Gurdjieff que apregoava uma filosofia de autoconhecimento, aos seus alunos em São Petersburgo e Paris, por onde passou, no começo do século passado. No trabalho da Cia. Base, a filosofia de Gurdjieff redunda em um artista concentrado e com equilíbrio. 

Na programação musical, a bateria do Acadêmicos do Baixo Augusta faz um ensaio para o carnaval 2019 em sua sede, em frente à Igreja da Consolação. No mesmo espaço haverá um série de shows musicais. No dia 11, às 23h59, o ator Sergio Guizé canta com o grupo Tio Che. No dia 13 é a vez de Ana Cañas, às 17h. No mesmo dia, às 23h, a atriz e cantora Fernanda d’Umbra se junta à banda de rock Fábrica de Animais. 

Na programação teatral, os Parlapatões estreiam A Cabeça de Yorick, na sede do grupo. A peça é inspirada na única cena cômica de Hamlet, quando o príncipe segura a caveira nas mãos e se depara com Yorick, o bobo da corte que alegrou a infância dele. 

Essa imagem é a que popularizou a história e o teatro feito pelo autor, Shakespeare, além de imortalizar a tragédia do bardo. Na montagem, palhaços tentam inverter o jogo e realizar cenas trágicas em um clima de humor.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.