Giovana Pasquini|Divulgação
Giovana Pasquini|Divulgação

Cia. Base faz coreografia vertical no alto de prédios

‘Arranha Céu’ suspende bailarinos nos edifícios da Praça Roosevelt durante a 16ª edição do festival Satyrianas

Leandro Nunes, O Estado de S. Paulo

18 de novembro de 2015 | 21h36

Olhe um pouco mais para cima. O palco da Cia. Base costuma estar bem longe do chão. Há mais de 10 anos, o grupo vem desafiando a arquitetura de pontes e prédios em suas performances. O diálogo travado com as estruturas urbanas desloca os bailarinos dirigidos por Cristiano Cimino para vivenciarem uma outra experiência com a gravidade. 

Com coreografia de Suzi Arruda, Arranha Céu ganhará o alto dos edifícios da Praça Roosevelt. Será a segunda participação da companhia no festival Satyrianas, promovido pelo grupo Os Satyros entre quinta-feira, 19, e domingo, 22.

No sábado, a escola de samba Vai-Vai, campeã paulista em 2015 com o enredo que homenageou a cantora Elis Regina, se apresenta na praça. Em 2016, ela vai homenagear o povo francês com o samba Je Suis Vai-Vai, Bem-Vindos à França.

Na programação, há a experiência sensorial do Sensus, grupo que cria performances a fim de estimular os cinco sentidos do espectador. Na edição de 2012, o grupo apresentou Sensus Hot, uma interação que utilizava objetos como penas, algemas e poesia erótica para despertar a sensualidade. Nessa edição, o coletivo traz espetáculos para adultos e crianças. Em Kinesis, os atores vendam os olhos do público enquanto declamam textos. Para as crianças, O Pequeno Príncipe (veja vídeo) ganha o mesmo formato, com trechos do clássico de Antoine Saint-Exupéry.

 Na agenda de literatura, a Balada Literária, que tem curadoria do escritor Marcelino Freire, faz adaptação de Big Jato, de Xico Sá, por Morgana Kretzmann. A comédia traz o ator Diogo Camargos na história de um menino e sua percepção de mundo a partir da boleia do caminhão de seu pai, um limpa-fossas chamado Big Jato. A aventura se passa no Vale do Cariri, no Ceará, durante os anos 1970. A encenação ganha o olhar do garoto em passagem para vida adulta.

O festival também se estende para a Igreja da Consolação com a apresentação de 120 vozes do coral da Cidade de São Paulo na peça Paixão Segundo São Lucas, com regência de Luciano Camargo. 

Destaques da Programação

Exposição 

O projeto Projeção Visto Permanente reúne registros audiovisuais sobre expressões artísticas de imigrantes em São Paulo. A exposição no Bar Bambolina cria um mosaico de tradições trazidas de diversas comunidades para a cidade. 

Esporte

A Praça Roosevelt receberá professores do coletivo Skate Educa para ensinar a modalidade.

Teatro

Cenas curtas são apresentadas dentro de automóveis. Em meio ao trânsito de São Paulo, as peças percorrem dramas urbanos. 

Música

Inspirados na era vitoriana, os músicos da banda O Incrível Mundo de Din Rose se vestem com figurinos especiais. Em seu repertório, canções do álbum Incredible World.

Mais conteúdo sobre:
Os Satyros

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.