Roberto Palermo
Roberto Palermo

Cacá Carvalho volta com o rato filosófico de '2 x 2 = 5'

Da obra de Dostoievski, 'Memórias do Subsolo', espetáculo pauta um homem que deixou a sociedade e sua lógica para operar a própria ilusão

Leandro Nunes, O Estado de S.Paulo

12 Abril 2017 | 03h00

No silêncio que conduzia o público para fora do teatro depois do espetáculo, era como retornar para viver a superfície das coisas e da vida. Do lado de dentro, o ator Cacá Carvalho havia terminado de encarnar a história de um homem que conscientemente escolheu o exílio social para encontrar-se consigo mesmo. O sujeito que ele chama de “rato filosófico” volta em cartaz, nesta quarta, 12, na forma de 2 x 2 = 5 - O Homem do Subsolo, no Teatro Faap. 

Concebida a partir da obra de Memórias do Subsolo (1864), de Dostoievski, a montagem estreou na Itália em uma parceria com o Teatro della Toscana, quando o ator já havia se dedicado a uma série de peças do dramaturgo italiano Luigi Pirandello, como O Homem com a Flor na Boca (1994), A Poltrona Escura (2004) e umnenhumcemmil (2011). A escolha por adentrar o universo cavernoso do autor russo tinha a ver com investigar a curiosa lógica empreendida pelo personagem. “Ele escolheu morar longe da superfície, distante de todo mundo, inverteu uma lógica cartesiana e matemática, para acionar sua própria ilusão”, explica.

Na época de criação do texto, a primeira mulher de Dostoievski, Maria Dmitrievna, sofria de tuberculose. Relatos descreviam o sofrimento do filósofo nas entrelinhas do romance, mais tarde considerado a primeira obra existencialista do mundo.

 

Antes que a peça voltasse para terras paulistanas, Carvalho fez temporadas em Salvador e Belo Horizonte. As cidades foram especialmente escolhidas por parcerias que o ator possui com outros artistas, como os mineiros do Grupo Galpão, que foram dirigidos por Carvalho no espetáculo Partido (1999), uma livre adaptação de O Visconde Partido ao Meio, de Italo Calvino.

Depois de São Paulo, a próxima e última parada será a cidade de Vitória (ES). Nesses locais, Carvalho também dará oficinas com jovens atores com o objetivo de investigar, dentro do repertório de cada intérprete, materiais criativos que possam servir em cena. No caso do homem rato deslocado do convívio, ele explica que as pistas que compõem seu imaginário vão além de estados psicológicos. “Existe um subsolo dentro de todos nós, que, muitas vezes, não é acessado. Lá dentro moram sensações, memórias, objetos e imagens que podem provocar novas ações e estimular outros modos de criação.”

Como amadurecer deve ser um caminho natural a todos, Carvalho explica que a montagem alçou um nível diferente, adquirido com os anos na estrada. “Nós conseguimos reduzir o tempo sem retirar nenhuma palavra do texto”, conta. O homem que grita, chora, se apaixona por uma prostituta e revive memórias concebidas na superfície do mundo, teve seu temperamento remodelado, explica o ator. “São mudanças que resultaram na forma de ações no palco. O que acaba confinando o homem num lugar apertado, tornando-o cáustico, lançado nesse universo profundo. Acredito que agora a melancolia do personagem coexiste com seu lado colérico”, acrescenta.

2 X 2 = 5 - O HOMEM DO SUBSOLO

Teatro Faap. Rua Alagoas, 903, Higienópolis. Tel.: 3662-7233. 4ª e 5ª, 20h30. R$ 40 / R$ 20. Estreia nesta 4ª (12). Até 4/5.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.