Diego Levy/The New York Times
Diego Levy/The New York Times

Buenos Aires reabre teatros sem público e fará transmissão ao vivo via streaming

Os produtores reconhecem que será difícil voltar aos negócios como antes até que haja uma vacina ampla e eficaz

Lucila Sigal, Reuters

11 de agosto de 2020 | 07h31

Os teatros da cidade de Buenos Aires vão reabrir suas portas a atores e trabalhadores do setor, mas não ao público, e vão transmitir suas peças ao vivo via streaming, após autorização do governo para a retomada da atividade das salas, fechadas desde março para conter a propagação do coronavírus.

A retomada, que dá nova vida à intensa atividade teatral na capital argentina, implicará no acompanhamento de um rígido protocolo, que inclui medidas de higiene e segurança para evitar o contágio.

Parte da comunidade de atores e trabalhadores do teatro expressou recentemente em carta aberta preocupação com o setor, um dos mais atingidos pela pandemia.

Os produtores de teatro reconhecem que será difícil voltar aos negócios como antes até que haja uma vacina ampla e eficaz.

Até agora, o auxílio aos profissionais vinha por meio de subsídios e bolsas, que não bastavam para amenizar a situação tanto dos trabalhadores quanto dos teatros, muitos deles em risco de fechamento.

Mas no fim de semana o governo nacional autorizou a retomada das atividades teatrais sem público, ou seja, os atores poderão ir para as salas e os espectadores poderão ver as obras em streaming, ao vivo, de suas casas.

O protocolo implica, entre outras coisas, “modos de trabalho e transporte que garantam as medidas de distanciamento e higiene necessárias para reduzir o risco de contágio da covid-19”, conforme diretriz do governo.

A Argentina tem cerca de 246.500 infectados e 4.635 mortes pelo novo coronavírus, que tem afetado os espetáculos com público em todo o mundo devido às medidas de distanciamento social para conter sua disseminação.


 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.