Sergei Filin. Foto: REUTERS/Maxim Shemetov
Sergei Filin. Foto: REUTERS/Maxim Shemetov

Bolshoi demite diretor artístico atacado com ácido em 2013

Sergei Filin disse não ter queixas contra a instituição

AFP

30 Julho 2015 | 14h44

O teatro russo Bolshoi anunciou nesta quinta-feira, 30, a demissão de seu diretor artístico atacado com ácido em 2013, Sergei Filin, o último capítulo de um escândalo que chocou o mundo da dança na Rússia.

"A decisão está relacionada com questões internas do teatro", disse Urin à agência de notícias russa TASS.

Filin, de 44 anos, continuará, no entanto, até o final da temporada como "responsável dos programas em curso e da gestão diária da companhia de dançarinos do teatro", segundo o comunicado.

O Bolshoi propôs a Filin prosseguir a sua colaboração "de outra forma", sem dar mais detalhes.

Filin, que declarou à TASS "não ter queixas" contra o teatro, quase perdeu a visão depois de ser atacado com ácido em janeiro de 2013 pelo bailarino Pavel Dmitrichenko, condenado a seis anos de prisão, e outros dois cúmplices.

O caso trouxe à luz a grande rivalidade e intimidação nos bastidores deste grande teatro russo. O mundo da arte condenou o ataque.

O ataque também levou à demissão do então diretor do Bolshoi, Anatoly Iksanov, e do bailarino Nikolai Tsiskaridze, acusado de ser o instigador do ataque.

O bailarino questionou as lesões sofridas por Filin e considerou pouco depois, em um jornal de Moscou, que o diretor artístico colocou "uns contra os outros com histórias de dinheiro e amor".

Tsiskaridze foi nomeado no final de 2014 diretor da prestigiada Academia Vaganova de São Petersburgo, uma decisão contestada por uma centena de professores da instituição que solicitaram sua remoção.

Mais conteúdo sobre:
Sergei FilinTeatro Bolshoi

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.