REUTERS
REUTERS

'Baile de Máscaras', de Verdi, é cancelado em Madri após queixas de falta de distanciamento

Segundo o teatro, uma minoria de espectadores forçou o cancelamento ao gritar e bater palmas, apesar de ter tido a chance de mudar de lugar ou ser reembolsada

Reuters, O Estado de S.Paulo

22 de setembro de 2020 | 10h24

O famoso Teatro Real de Madri teve que cancelar uma produção de ópera na noite de domingo depois que um grupo de espectadores protestou ruidosamente pelo posicionamento das cadeiras muito próximas umas das outras em meio a uma disparada de infecções de coronavírus na capital espanhola.

O incidente, durante o qual a orquestra tentou recomeçar duas vezes antes de desistir, ocorreu dois dias depois de o teatro reabrir as portas para espectadores com máscaras, incluindo o rei Felipe 6º, para a inauguração da temporada com o mais que apropriado “Um Baile de Máscaras”, de Giuseppe Verdi.

O teatro disse em um comunicado que a taxa de ocupação do domingo foi de pouco mais de metade dos lugares, abaixo do limite regional de 75%, mas que não tinha como controlar a compra de mais entradas para certas áreas.

“Todas as exigências de segurança foram respeitadas. Os espectadores estavam usando máscaras, a temperatura foi medida e o gel antisséptico estava disponível”, disse o presidente Gregorio Marañón aos repórteres nesta segunda-feira, acrescentando que o teatro estudará mudanças em relação às preocupações do público com os riscos de saúde.

Segundo o teatro, uma minoria de espectadores forçou o cancelamento ao gritar e bater palmas, apesar de ter tido a chance de mudar de lugar ou ser reembolsada.

O protesto se originou nos assentos da seção superior, cujos ingressos são mais baratos, como mostrou um vídeo publicado pelo jornal El País.

Mas também faltou distanciamento social na área inferior e mais cara, mostrou um vídeo tuitado pela escritora espanhola Rosa Montero. “Havia uma falta total de distanciamento social”, escreveu ela.

Um isolamento parcial de algumas áreas de Madri foi adotado nesta segunda-feira, desencadeando protestos de moradores de bairros mais pobres que denunciaram condições semelhante às de guetos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.