Reprodução/Instagram Laurel Griggs
Reprodução/Instagram Laurel Griggs

Atriz Laurel Griggs morre aos 13 anos

Ela estreou na Broadway aos 6 e atuou ao lado de Scarlett Johansson e de Steve Carell

Mariel Padilla e Neil Vigdor, The New York Times

11 de novembro de 2019 | 11h11

Laurel Griggs, que experimentou o sucesso precoce em 2013 ao atuar no revival de Cat on a Hot Tin Roof (Gata em Teto de Zinco Quente) e na adaptação musical do filme irlandês Once morreu na quinta-feira, 7. Ela tinha 13 anos.

A morte de Laurel Griggs foi confirmada por David Rivlin, seu avô, que disse, em entrevista no domingo, que a atriz teve uma "grave crise de asma".

“Laurel era a criança que todos sonhavam em ter", disse Rivlin. “Era uma garota brilhante, podia fazer um papel e nunca esquecer uma fala, e eu nunca a ouvi reclamar. Vou sentir sua falta."

Socorristas foram flagrados por volta das 19h25 de quinta, na frente de um prédio em East Harlem, em Nova York, ajudando uma garota que estava com dificuldade para respirar, de acordo com o Departamento de Polícia de Nova York.

No caminho para o Hospital Mount Sinai, foi feita uma tentativa de reanimação, disse a Polícia. De acordo com o avô da garota, ela morreu no hospital. 

A morte de Laurel Griggs chocou a classe artística, que postou homenagens nas redes sociais. Ela foi descrita como um talento especial, gentil e como uma pessoa que conseguia manter o equilíbrio entre os estudos e sua carreira promissora.

Laurel Griggs estreou na Broadway aos 6 anos no papel de Polly em Gata em teto de Zinco Quente, que tinha, ainda, no elenco, Scarlett Johansson como Maggie. Em 2013, ela passou a integrar a companhia teatral do musical premiado com o Tony Once, onde permaneceu por 17 meses e interpretou Ivanka.

Griggs apareceu algumas vezes no Saturday Night Live e também atuou em Café Society, uma comédia romântica com Steve Carell lançada pela Amazon em 2016.

Griggs também escreveu e dirigiu um curta sobre um tiroteio em uma escola chamado This is Not a Drill, de acordo com o seu avô. Ele foi exibido no Tribeca Film Festival no ano passado.

A asma de Griggs foi diagnosticada muito cedo, de acordo com avô dela. "Ela tomava medicação diariamente e tinha sua bombinha para caso precisasse. Foi uma doença destruidora."

Rivlin disse ainda que a neta tinha sonhos fora do mundo do entretenimento. Ela era uma ativista ambiental e provavelmente teria se tornado uma advogada."

Tudo o que sabemos sobre:
Laurel Griggsmusical [teatro]cinema

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.