Rafaela Carvalho
Rafaela Carvalho

Atriz e escritora Liv Ullmann inspira 'Eu Sou Essa Outra'

A partir da obra 'Mutações', a peça revê trajetória da artista e encara o lugar da mulher na criação

Leandro Nunes, O Estado de S.Paulo

18 Maio 2018 | 02h00

Quando Ingmar Bergman conheceu a atriz Liv Ullmann não descansou até escrever um papel para ela. Em 1966 nascia Persona, a primeira parceria criativa entre eles. O que viria a seguir, acompanhado de obras-primas como Sonata de Outono e Gritos e Sussurros, foi objeto de estudo da diretora Vera Egito, que conhecia bem a versão masculina da história. Em cartaz no Sesc Pinheiros, o espetáculo Eu Sou Essa Outra traz o olhar de Liv Ullmann a partir de sua autobiografia Mutações. Na obra de 1976, a norueguesa lançou-se como escritora ao relatar detalhes de seu relacionamento com a família, a maternidade e seu desenvolvimento como intérprete, além da relação tumultuosa com o ex-parceiro Bergman. “Na faculdade eu não conhecia essa parte da história, que também fala da relação abusiva entre eles”, diz a diretora.

+++ Documentário revela nuances da parceria entre Bergman e Liv Ullman

O texto da Carla Kinzo escrito no formato de recortes e memórias é concretizado por Maria Laura Nogueira, Rita Gullo e Nana Yasbek. “O teatro também está presente nessas lembranças. Liv montou várias vezes Casa de Bonecas, de Ibsen, e retomamos alguns desses elementos no palco.”

+++ Ex-musa de Bergman, Liv Ullman estreia filme e prepara peça baseada em roteiro dele

Em sua estreia como diretora de teatro, Vera conta que o pavor foi substituído, aos poucos, por grandes momentos de criatividade. “No cinema, se há uma cena para fazer em um restaurante, vamos até o estabelecimento e gravamos, com as mesas, cadeiras, talheres. No teatro é diferente.”

Com uma equipe técnica e criativa totalmente composta por mulheres, Vera percebeu que, por vezes, era preciso repensar o modo de criação para não reproduzir uma lógica masculina. “Somos acostumadas a pensar que a agressividade de muitos diretores é o que torna importante uma obra. Acho que Bergman foi um gênio e grande criador, mas nessa peça, percebemos que o lugar feminino da criação pode dispensar essa violência, que está mais ligada à luta e guerra, longe do acolhimento. É possível criar sem dar porrada”, conta.

EU SOU ESSA OUTRA

Sesc Pinheiros. Rua Paes Leme, 195. Tel: 3095-9400. 5ª, 6ª, sáb., 20h30. R$ 25. Até 16/6.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.