NILTON FUKUDA/ESTADÃO
NILTON FUKUDA/ESTADÃO

Atores mirins e Paulo César Pereio repensam 'Hamlet'

Elenco recria cenas da obra de Shakespeare, discutem infância e ética na vida adulta

Leandro Nunes, O Estado de S.Paulo

29 Setembro 2018 | 06h00

Há muitos anos, a frase ‘Era uma vez em um castelo...’ podia transportar crianças para um universo mágico. Hoje em dia, muitos meninos e meninas querem pensar como sua realidade pode reinventar histórias. Um exemplo é Peça Para Adultos Feita por Crianças, que estreia no Espaço Parlapatões neste domingo, dia 30. 

O projeto da diretora Elisa Ohtake reuniu jovens atores oriundos de cursos de teatro para estudar a peça Hamlet, de Shakespeare. “Procurei entre eles aqueles que demonstrassem entusiasmo e fossem espertos.” Após escolher Davi Hamer, Felipe Bisetto, Joana Arantes Fix, Michel Felberg e Vitória Reich, o grupo mergulhou na tragédia do Príncipe da Dinamarca, que descobre que seu pai, o rei, foi assassinado e o trono tomado, injustamente, por seu tio. “Criamos uma série de jogos e as cenas foram feitas a partir do que cada um entendeu da peça.”

Há muitos momentos divertidos. Joana lembra que, há alguns anos, na versão infantil de Hamlet apresentada em sua escola, o rei não era assassinado. “Ele morria após uma crise alérgica, por comer um brigadeiro.” Já Vitória refaz a cena do Fantasma do pai do príncipe deslizando sob patins. Em outro momento, o grupo faz uma versão relâmpago da tragédia em 1 minuto. Não é spoiler dizer que quando termina todos estão no chão. Quem completa o elenco é o veterano Paulo César Pereio. Ao contrário dos jovens, o ator faz a única cena de Hamlet que ele não entende. “Na minha carreira fiz essa peça uma vez. Mas nem tive tempo de terminar. Acabei sendo expulso do elenco”, brinca.

Outro ponto explorado é que a trama política criada por Shakespeare – repleta de mortes e loucura ao redor do trono – aponta para o problema da ética presente na vida de todos. “Será que serei um adulto paciente?”, questiona Davi. “Será que serei um medroso? Será que eu vou ser um adulto que se acha melhor que outros adultos?” 

Como eles declaram, a peça é um manifesto contra a chatice que a vida adulta é. “Eles questionam o futuro porque há exemplos na convivência com adultos no dia a dia, em casa e na escola”, diz Elisa. Mais do que isso, a percepção das crianças sobre a obra do dramaturgo desperta um ponto de vista sobre a própria infância e como eles desejam conduzir suas vidas. “A gente ouve os adultos dizendo que é para a gente aproveitar a infância, mas logo eles nos perguntam o que queremos ser quando crescer”, dispara Felipe, que faz a cena da loucura de Hamlet, com direito a imitações de dinossauros.

PEÇA PARA ADULTOS FEITA POR CRIANÇAS. Parlapatões. Pr. Franklin Roosevelt, 158. Dom., 19h. Estreia dom. (30). R$ 30 / R$ 15. Até 25/11.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.