RAFAEL AGUIAR
RAFAEL AGUIAR

ArCênico: Eu filosofo, tu filosofas…

AS últimas informações sobre o mundo do teatro

O Estado de S.Paulo

17 Agosto 2017 | 02h00

Ela está ali, sozinha, no centro do palco, e os temas nos quais toca estão ligados à existência humana, o significado de nascer e viver hoje. Conflito puro, felizmente, como bem gosta o teatro de abordar. A moça em questão é Soraya Ravenle, atriz que chega a São Paulo do Rio com o solo Instabilidade Perpétua.

A peça mistura textos, dança e música e foi inspirada em obras do poeta e filósofo Juliano Garcia Pessanha. Tanta densidade talvez justifique uma coleção de diretoras: Daniela Visco, Georgette Fadel, Julia Bernat e Stella Rabello. Estreia prevista para o dia 9 de setembro, sessões de sexta-feira a domingo, no Sesc Ipiranga (Rua Bom Pastor, 822, tel. 3340-2000).

500 DA BARCA  

O Auto da Barca do Inferno (1517), peça do fundador do teatro luso, Gil Vicente, completa este ano cinco séculos de pura alegria – ou quase isso, considerando o destino do batel e o tom satírico e crítico da sociedade. Não perca tempo: dia 23, no Teatro Sérgio Cardoso, o Auto é apresentado pelo grupo Dragão7. É parte do Circuito de Teatro Português, que vai de 18 a 27 de agosto em SP e oito cidades brasileiras, e tem companhias de Cabo Verde, Macau, Portugal, São Tomé e Príncipe. www.circuitodeteatroportugues.com.br

 

É PIQUE, É PIQUE! 

A Companhia do Latão comemora 20 anos com o melhor de seu olhar sobre Brecht. E volta ao cartaz com a montagem mais apresentada neste período: A Comédia do Trabalho. Serão quatro sessões no estúdio do Latão, na Vila Madalena, dias 18 e 19, 25 e 26. A programação completa em companhiadolatao.com.br. 

MINEIRO EXPORTAÇÃO 

O compositor e arranjador mineiro Daniel Maia, responsável por tantas trilhas originais para teatro e dança, inicia em uma semana a sua quarta parceria com o coreógrafo japonês Tadashi Endo, do Mamu Butoh Center, na Alemanha. Maia (na foto, com Endo) embarca hoje, 17, para lá, onde permanecerá na casa do coreógrafo, compondo e acompanhando a montagem do espetáculo Ha Dô, que significa movimento das ondas. A estreia está marcada para 29 de agosto no Theatrer Göttingen.   

NEONAZISTA CUCARACHA 

Não bastassem os episódios da semana passada em Charlottesville (EUA), aqui também é preciso botar as barbas de molho – pelo menos no palco. O dramaturgo uruguaio Santiago Sanguinetti estreia na cidade um texto inédito, Nuremberg. É a história de um neonazista durante os preparativos para um atentado que vai cometer e não vai sobreviver. Ele fala sobre suas convicções enquanto se exercita, preparando-se para o ataque. A montagem estreia dia 2 de setembro no Centro Compartilhado de Criação, na Barra Funda, e é dirigida por César Maier, com Osmar Pereira na pele do rapaz.

 3 perguntas para...

Ivo Müller

(Ator, aproveita para dormir nas folgas.)

1. Situação inusitada em cena.

Uma peça que se passa “no dia mais quente do ano” no inverno, em Portugal. A plateia com cobertores, o elenco tremendo de frio. 

 

2. Como gostaria de morrer em cena?

Uma comédia, a plateia ri e eu vou morrendo e rindo.

3. Qual a frase de peça mais arrebatadora?

“A solução do Brasil é o jogo do bicho” (A Falecida, de Nelson Rodrigues).

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.