AMANDA PEROBELLI/ESTADÃO
AMANDA PEROBELLI/ESTADÃO

Aos 50 anos de carreira, Denise Stoklos convoca o novo com a 'Extinção', de Thomas Bernhard

Criado do Teatro Essencial, a atriz, diretora e autora colhe o sucesso e dá curso online sobre criação de solos

Leandro Nunes, O Estado de S.Paulo

30 Março 2018 | 06h00

É natural que artistas saibam receber aplausos. Eles gostam. Mas no dia em que a plateia se revolta – coisa rara no público brasileiro –, o intérprete da cena acaba provando seu valor, ou mediocridade. Conta-se que durante uma apresentação de Denise Stoklos em Porto Alegre, casa cheia, a plateia escolheu vaiar a atriz em resposta à escolha da curadoria de colocar o espetáculo da paranaense na programação de um festival, em vez de privilegiar uma peça local. 

Em resposta, a mulher nascida em Irati, já vista em mais de 30 países e que completa 50 anos de carreira com Extinção, de Thomas Bernhard, se rendeu: ajoelhou diante dos gritos e regeu, como maestrina, os manifestantes. O novo espetáculo, que ganha temporada no Sesc Consolação, a partir do dia 13, faz, antes, duas apresentações no Festival de Curitiba, nos dias 5 e 6. 

Essa ousadia acompanha a também diretora e autora desde sua estreia profissional em 1968, ano em que a indignação da juventude mundial contra a guerra e as desigualdades também estava presente na então estudante de jornalismo e sociologia que escolheu no teatro o aglutinador de sua rebelião. “No meu primeiro texto, criei um clube de artistas que estavam desafinados entre si. Suas características iam denunciando a consciência dos sistemas de Lenin, Stalin e o capitalismo.” Sem que um dia imaginasse, o autor austríaco de Extinção foi motivo de encontro recente entre Denise e o diretor polonês Krystian Lupa, que veio ao Brasil com a montagem de Árvores Abatidas, romance de Bernhard, na programação da Mostra Internacional de Teatro de São Paulo. Em um debate, ela reconheceu sua preferência por encenar textos não teatrais, assim como o diretor polonês. “Dramaturgias já vêm prontas, sem que exista a possibilidade de imaginação.”

+ Denise Stoklos comanda projeto "Solos do Brasil"

O que parece teimosia de uma atriz clown e seu Teatro Essencial, por vezes julgado como excesso de autossuficiência – não esconde na contundência da linguagem conquistada o desejo de navegar livremente pelas ideias. “Trata-se utilizar o máximo do corpo em cena, com o mínimo de recursos, em busca de uma plena teatralidade”, diz. Algo que o antigo crítico de teatro do Estado Sábato Magaldi já chamou de “perfeito domínio da gramática da mímica, mas sem converter-se em exibicionismo de técnica”.

Na época, o jornalista elogiava a produção da atriz já como artesã de seus próprios trabalhos, mas levando em conta a passagem de Denise por diretores como Ademar Guerra, em Missa Leiga, no início do anos 1970, Bonitinha Mas Ordinária, na encenação de Antunes Filho, no ano seguinte, e Zé Celso, no espetáculo Sai de Mim Tinhoso (1977). “Era um momento difícil para estar no Brasil, muito sufocante politicamente”, conta a atriz. Sua viagem à Europa, em seguida, e os estudos de mímica e clown em Londres renderam à atriz a chance de circular por países com Three Women in High Wells até chegar à criação do solo One Woman Show (foto abaixo) que, enfim, lança as bases de sua pesquisa, hoje consolidada e transformada, em parte, em um curso de teatro 100% online. “São nove passos para a criação de um solo”, conta a atriz com entusiasmo de quem dialoga com pessoas de todas as idades e regiões do País. 

+ Denise Stoklos faz retrospectiva de 42 anos de carreira

Ela explica que o objetivo é oferecer um caminho de criação, não apenas para artistas, mas para pessoas que desejam se comunicar melhor e influenciar seus públicos. Os nove passos indicam uma trilha que passa por entender a importância da concepção, direção, a expressão corporal, voz, sonoplastia, a atenção do espectador, cenários e adereços, luz e produção. Tudo com o objetivo de empreender uma carreira solo. “Às vezes, a gente adia um encontro com as próprias virtudes e defeitos. Acredito que no mundo já existem coisas demais contra nossa independência. Criar autonomia nesse momento faz parte de existir, de imaginar possibilidades.”

Essa sanha por liberdade tem histórico com alguém que sonhou com um Brasil liberto do mito da globalização. A amizade e parceria intelectual com o geógrafo Milton Santos inspirou a atriz na revisão do País e suas sequelas em 500 Anos – Um Fax de Denise Stoklos para Cristóvão Colombo e Desobediência Civil, esta ambientada no réveillon que lança a atriz noite adentro em uma reflexão sobre a humanidade e seus valores. “A arte é como responsabilidade cívica, em um ambiente livre, sem compromisso com o establishment.” E o público? “Ele é o sujeito monitorado nessa experiência cênica”, que segundo a atriz, torna-se mais que essencial diante da cena brasileira, com seus episódios que ignoram a transformação oferecida pela arte. “Há uma usurpação do cidadão, uma violência, uma não importância do sujeito”, analisa.

+ Denise Stoklos mostra Mary Stuart

E é nessa toada que a atriz conduz sua Extinção. Dessa vez, cercada de artistas e parceiros. Ao lado dos diretores Francisco Medeiros, Marcio Aurelio, do cenógrafo J.C. Serroni e da iluminadora Aline Santini, Denise persegue a ideia de autodestruição e repetição proposta pelo autor, que na figura de Franz-Josef Murau – assim como outros personagens bernhardianos, como Príncipe Saurau (Perturbação) e até Bernhard que aparece como ele mesmo em Árvores Abatidas – representa o estado crítico e deplorável de seu país, a Áustria. “É uma provocação contra a política, os símbolos sagrados, a manutenção dos papéis, para que em algum momento surja uma aresta de negação. Vai até o limite da própria subjetividade”, explica.

De alguma forma, passa por Baal, o deus da fertilidade da primeira peça de Brecht, que ao declarar sua energia de demolição, quer devorar as estruturas do mundo. “No texto de Bernhard, não se trata apenas da pura destruição, mas de uma liberdade de reação, em busca de perspectivas verdejantes.”

EXTINÇÃO. Sesc Consolação. R. Dr. Vila Nova, 245. Tel.: 3234-3000. 6ª, sáb., 21h, dom., 18h. R$ 40 / R$ 20. Estreia 13/4. Até 20/5.

Mais conteúdo sobre:
Denise Stoklos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.