Werther Santana/Estadão
Werther Santana/Estadão

Antunes Filho se tornou mestre de gerações

Controverso, chamado por muitos de tirano e autoritário, desenvolveu uma rigorosa e singular metodologia: um sistema de técnicas e meios expressivos que envolvia Stanislavsky, Brecht e ia além

Maria Eugênia de Menezes, Especial para O Estado

03 de maio de 2019 | 14h31

Antunes Filho morreu como planejava: sem se afastar do palco. Sua última peça, Eu Estava em Minha Casa e Esperava que a Chuva Chegasse, estreou em setembro do ano passado no festival Mirada, em Santos. Era mais uma montagem no contexto de uma carreira extensa - foram mais de 60 anos dedicados ao teatro. O diretor, porém, ainda tratava cada peça como uma situação de risco máximo, fazia e refazia as cenas ensaiadas à exaustão, exigia apuro em cada gesto e em cada voz, tinha ganas de mudar tudo mesmo que faltassem poucas horas para as cortinas se abrirem. 

O encenador, cuja trajetória se confunde com a do moderno teatro brasileiro, não será lembrado apenas pela sua genialidade. Antunes acreditava em trabalho - horas, dias, meses de dedicação, pesquisa e suor. E foi assim, exigindo sempre a potência máxima de seus atores, que se tornou mestre de gerações: Laura Cardoso, Eva Wilma, Miriam Mehler, Raul Cortez, Stênio Garcia, Cacá Carvalho, Giulia Gam, Marco Antonio Pâmio, Luís Melo, Arieta Côrrea, Lee Thaylor e tantos outros. 

Para criar Macunaíma (1978), Antunes trabalhou durante um ano inteiro, mais de dez horas por dia. O resultado, um marco do teatro brasileiro de todos os tempos, representou um ponto de inflexão na carreira do artista - momento em que ele deixou de ser um encenador competente para tornar-se um artista que experimenta e vai adiante em tudo o que faz. Mantendo-se fiel ao texto de Mário de Andrade, o que significava deixar de lado qualquer psicologismo e passar a lidar com os pressupostos inexplicáveis da magia, o espetáculo também bebia nas influências que alterariam o seu teatro e significariam uma profunda renovação para as artes cênicas brasileiras. De repente, é como se acertássemos o passo o contexto internacional - bebendo na estética de Bob Wilson, de Tadeusz Kantor e da arte Povera- mas sem deixar de lado uma brasilidade que se exprimia em cores e formas.  

A repercussão nacional e internacional - Macunaíma tornou-se a peça brasileira mais vista e aplaudida no exterior - abriu espaço também para uma nova forma de criação. Seu grupo de atores passa a se chamar também Macunaíma e surge o importante CPT - Centro de Pesquisa Teatral. A partir desse momento, o diretor prefere lidar com intérpretes mais jovens. 

Recentemente, tinha-se, por vezes, a sensação de que seus elencos não possuíam a envergadura necessária para dar corpo às suas ideias. Mas o diretor perseverava, acreditando que primeiro era preciso formar um ser humano completo, com independência de pensamento, para que só depois surgisse o ator. Controverso, chamado por muitos de tirano e autoritário, desenvolveu uma rigorosa e singular metodologia: um sistema de técnicas e meios expressivos que envolvia Stanislavsky, Brecht e ia além. 

Antunes não lidava com a ideia da novidade pura, mas do novo que surge em relação ao acúmulo e ao diálogo com as tradições. Antes da revolucionária versão para a rapsódia de Mário de Andrade trabalhou no Teatro Brasileiro de Comédia - TBC, onde esteve ao lado dos encenadores italianos Adolfo Celi, Ruggero Jacobbi e Luciano Salce. À época, já era um acurado diretor de atores, mas criava peças bem-feitas, quase de entretenimento. São desse período criações como Plantão 21 (1959), obra em que explora recursos cinematográficos. Nesse começo de carreira, seu objetivo parecia criar com o maior realismo possível. Um caminho que começa a se inverter em As Feiticeiras de Salem (1960), uma controversa encenação do texto de Arthur Miller

O encontro com Nelson Rodrigues também foi um marco e o autor pairou como obsessão para Antunes pelo restante de sua carreira. Seu primeiro contato com essa dramaturgia se deu com A Falecida (1965). E irá frutificar em outras obras como Nelson Rodrigues - Eterno Retorno (1981), Nelson 2 Rodrigues (1984) e Paraíso Zona Norte (1989). Nelas, o diretor situou o grande dramaturgo no lugar que lhe é devido. Retirou-lhe do terreno das comédias de costume, chave em que muitos ainda leem suas criações, para situá-lo no campo mítico. Para o crítico Sábato Magaldi, Antunes Filho conseguia "colocar Nelson na altitude dos gregos". 

Em meio a tão vasta produção, também merece um olhar cuidadoso sua incursão pelas tragédias clássicas: caso de Fragmentos Troianos (2000) e Medeia (2001). Ainda que não tenham sido unanimemente bem-recebidos, os espetáculos marcariam o seu vocabulário estético e vinham depois de um traumático episódio para o diretor: a saída do ator Luís Melo

Desde A Hora e a Vez de Augusto Matraga (1986), uma aplaudida versão da obra de Guimarães Rosa, Antunes via em Melo o ator com o qual levaria seu método a uma potência máxima. Em Drácula e Outros Vampiros (1996) foi obrigado a retroceder em muitos de seus avanços e a buscar novas estratégias para continuar. Mergulhou nas atividades do CPT e de lá a sairia a série Pret-a-Porter. Seria o caminho para Antunes sistematizar suas práticas estéticas e perseguir o seu sonho maior: ter o ator como senhor absoluto do palco. 

  

Tudo o que sabemos sobre:
Antunes Filho

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.