ARQUIVO/ESTADÃO
ARQUIVO/ESTADÃO

Análise: Tão celebrada quanto polêmica, Ruth Escobar garantiu lugar na história do teatro

Para conseguir o que queria, a atriz, produtora e militante não poupava esforços nem sempre primava pela diplomacia

Maria Eugênia de Menezes, O Estado de S.Paulo

06 Outubro 2017 | 04h00

Quando se fala em festival de teatro no Brasil, Ruth Escobar surge como primeira e principal referência. A atriz e produtora foi responsável por uma considerável revolução nos palcos de São Paulo.

Em 1974, quando realizou o primeiro Festival Internacional de Teatro, Ruth apresentou ao público criações de vanguarda inimagináveis para quem vivia sob a ditadura: títulos de Grotowski, e Bob Wilson, dois dos maiores diretores do século 20.

LEIA MAIS: Aos 81 anos, morre Ruth Escobar

A iniciativa deixou rastros: quatro anos mais tarde, quando Antunes Filho estreou o seu surpreendente Macunaíma, lá estavam as marcas desses criadores – especialmente a plasticidade de Wilson. Nossos espetáculos nunca mais seriam os mesmos.

Até hoje, o legado dessa pioneira reverbera. A MIT-SP, Mostra Internacional de Teatro de São Paulo, que já teve quatro edições, assume a grande produtora como inspiração. Os moldes são outros, mas o objetivo semelhante: aproximar a cidade das mais potentes obras do panorama contemporâneo. 

O festival teve outra edição, em 1976. E retornou em novo formato nos anos 1990. Mas a atuação de Ruth foi além: ainda nos anos 1960, criou o próprio teatro e alcançou grande repercussão com montagens dirigidas pelo franco-argentino Victor Garcia. Por O Balcão (1969), levou todos os prêmios daquele ano. 

LEIA MAIS: Crítico analisa a presença de Ruth Escobar no teatro

Sua carreira, contudo, não se fez só de sucessos. Muitas vezes, nublou-se a zona de separação entre a carreira artística e a militância política. Em 1966, experimentou o fracasso com uma versão de Julio César, de Shakespeare, com tradução de Carlos Lacerda, ex-governador do Rio. Envolveu-se nas lutas pela redemocratização. Para driblar a censura, concebeu um ciclo secreto de leituras dos textos proibidos. Chegou, inclusive, a se eleger deputada estadual por dois mandatos. Mas retornou ao teatro e só se retirou quando o Alzheimer, diagnosticado em 2000, começou a causar-lhe problemas, inclusive judiciais. 

Para conseguir o que queria, Ruth Escobar não poupava esforços nem sempre primava pela diplomacia. Invadia gabinetes de políticos e empresários, dizia o que queria e quando queria. Era arrasadora: tão festejada quanto polêmica. Com sua personalidade forte, conquistou admiradores, desafetos e, indubitavelmente, um lugar de destaque na história da arte brasileira. 

Mais conteúdo sobre:
Ruth Escobar

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.