DANIEL TEIXEIRA/ESTADAO
DANIEL TEIXEIRA/ESTADAO

Adaptação de '1984' submete protagonista à alucinação com ares de 'Vestido de Noiva'

Clássico de George Orwell, dirigido por Zé Henrique de Paula, narra regime político totalitário e cheio de 'fake news'

Leandro Nunes, O Estado de S.Paulo

01 Junho 2018 | 06h00

Cuidado, se este texto tiver caído nas mãos do Ministério da Verdade, suas palavras podem ter sido mudadas. Não é de se surpreender que a melhor definição de ‘fake news’ venha de um jornalista. Mas o choque mesmo é saber que, em 1949, Eric Artur Blair, com o pseudônimo George Orwell, antecipou no romance 1984 a forma como um regime político pode lidar com o controle de informação e da comunicação no mundo. Tudo isso, quase trinta anos antes da internet ser sonhada. 

Com estreia nesta sexta, 1.º, a peça com versão de Duncan MacMillan e Robert Icke e dirigida por Zé Henrique de Paula faz temporada no Sesc Consolação. A montagem quer menos reproduzir fielmente a trama para adentrar na mente do protagonista Winston Smith, um trabalhador de um regime totalitário com cores de um “Socialismo Inglês” que dedica seu trabalho no irônico Ministério da Verdade, onde reescreve notícias e artigos já publicados para que o registro histórico acompanhe a ideologia do Partido. “Algumas versões trabalham com a ideia de vislumbrar o futuro desse sistema, mas nessa peça existe uma atmosfera de conflito entre o real e a ilusão.”

No primeiro ato, o diretor descreve que a plateia será testemunha de uma tortura de Winston, no nada agradável Ministério do Amor. “A cena é ambientada em um espaço corporativo, como um antigo escritório estatal, feito para a burocracia. De qualquer forma, é o relato do que está acontecendo dentro de sua cabeça.” No livro, o homem é apenas um funcionário comum que fica desiludido com a própria existência até se apaixonar pela colega de trabalho, Julia, quando o sexo é permitido apenas para a procriação. Nos EUA, após a posse do presidente Donald Trump, a obra explodiu em vendas no início do ano com um aumento de 10.000 %, segundo a editora Signet Classics.

Além do estilo, a grandiosidade do romance está nos eufemismos e suas teorias para a manutenção da paz, da liberdade e da verdade. Nela, o Partido se esforça para suprimir a comunicação, com a ‘novilíngua’ e o ‘duplipensar’, que é a capacidade de aceitar crenças contraditórias ao mesmo tempo. É como contar mentiras deliberadas e acreditar nelas. Na casa de cada pessoa, as teletelas que ocupam a sala dão conta de espionar os hábitos das pessoas. “Acredito que a peça ganha uma camada semelhante a Vestido de Noiva”, diz o diretor, comparando à peça de Nelson Rodrigues. “Como se a alucinação e a realidade convivessem e ficasse impossível distingui-las.”

O que se seguirá após o martírio de Winston é que o homem será acompanhado pelo mentor e torturador O’Brien. No cenário, essas transformações vão tornando a presença do protagonista mais “virtual”. “Ele passa a ser despolitizado, tendo sua vida desmontada para que volte a funcionar de maneira inofensiva e de acordo com o desejo do Partido”, afirma o diretor. “Winston acaba virando um personagem de reality show, que tem o mesmo nome do Grande Irmão”, diz, referindo-se ao programa Big Brother (leia ao lado).

Com o clima sombrio, a peça encontra na tecnologia atual parte desse algoz. No mês passado, um casal nos EUA acusou o alto-falante Alexa, da Amazon, de gravar uma conversa privada dos dois e enviá-la para uma pessoa da lista de contatos. “São coisas que nos deixam com a pulga atrás da orelha”, afirma o diretor.

De Bowie, aos games e na televisão

Livro é referenciado no álbum ‘Diamond Dogs’, de 1974, no game ‘Half Life 2’, e na franquia de sucesso Big Brother

A versão para os cinemas de Michael Radford estreou com acerto na calendário. Em dezembro de 1984, ele lançava o longa que marcaria 30 anos do livro de George Orwell. Conta-se que a trilha sonora seria feita por David Bowie, que era fascinado pelo universo do escritor, mas o orçamento ficou caro e o trabalho ficou com o duo Eurythmics (lembra de Sex Crime?). 

Mas Bowie não desistiu. Nos anos 1970, propôs à viúva do autor, Sonia Brownell, transformar o livro em musical, mas a mulher negou a autorização. O jeito foi colocar toda sua inspiração no álbum Diamond Dogs (1974), que trazia canções como 1984 e We Are Dead, esta em referência a um trecho que Winston fala para Julia.

Nos games, Half-Life 2 (2004) transformou o Partido numa raça alienígena que oprimia os habitantes da Terra, e trazia sistemas de monitoramento, como as teletelas e a presença de um grande líder. 

Mas o que Orwell não esperava era que Big Brother, líder do Partido em sua obra, virasse fonte de dinheiro. Quando o canal CBS estreou o reality em 2000 nos EUA, a emissora enfrentou processo por violação de direitos autorais, com posterior acordo em cifras nunca divulgadas.

1984. Sesc Consolação. R. Dr. Vila Nova, 245.     Tel.: 3234-3000. 6ª, sáb., 21h, dom., 20h. R$ 40 / R$ 20. Estreia hoje, 1º. Até 8/7.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.