REUTERS/Eduardo Munoz
REUTERS/Eduardo Munoz

A volta dos espetáculos reanima a Broadway

'O Rei Leão', 'Wicked' e 'Hamilton' reestrearam na terça-feira

Michael Paulson, The New York Times

15 de setembro de 2021 | 11h33

A mais longa paralisação da história da Broadway acabou. Na terça à noite, dia14, alguns dos maiores shows do teatro musical, incluindo O Rei Leão, Wicked e Hamilton, retomaram as apresentações 18 meses depois que a pandemia do coronavírus os forçou a fechar. 

Não são os primeiros espetáculos a recomeçar, nem os únicos, mas são enormes potências teatrais que passaram a simbolizar a força e o alcance da indústria, e seu retorno aos palcos é um sinal de que o teatro está de volta. 

Claro, este momento ainda é marcado por restrições substanciais. A pandemia não acabou. Os turistas não estão de volta. E ninguém sabe quanto um longo período sem teatro ao vivo pode afetar o comportamento do consumidor.

Mas os proprietários de cinemas, produtores, organizações sem fins lucrativos e sindicatos decidiram coletivamente que é hora de seguir em frente. A reabertura da Broadway ocorre quando uma variedade de outros locais de artes cênicas, em Nova York e em todo o país, também estão retomando apresentações presenciais, em ambientes fechados: nos próximos dias e semanas, o Metropolitan Opera, a New York Philharmonic, New York City Ballet, Carnegie Hall e a Brooklyn Academy of Music começarão suas novas temporadas.

“A Broadway e todas as artes e cultura da cidade expressam a vida, a energia, a diversidade, o espírito da cidade de Nova York”, disse o prefeito Bill de Blasio, em entrevista coletiva na terça-feira. “Está em nosso coração e alma. Também é muito do que as pessoas fazem para ganhar a vida nesta cidade. E isso nos torna ótimos. Portanto, esta é uma grande noite para o retorno da cidade de Nova York. ” 

Aos que irão aos shows na Broadway descobrirão uma nova experiência mudada: todos os shows exigem prova de vacinação (quem tem menos de 12 anos pode apresentar um teste de coronavírus negativo) e todos os frequentadores devem usar máscaras. 

Mesmo antes da retomada na noite de terça-feira, quatro shows começaram: Springsteen on Broadway, que teve 30 apresentações entre junho e setembro, bem como uma nova peça, Pass Over, e dois musicais que estão de volta, Hadestown e Waitress, todos ainda estão em cartaz. 

Nenhum perdeu uma apresentação - Waitress conseguiu continuar mesmo depois que um membro do elenco deu positivo. E logo novos espetáculos entrarão em cartaz, como Chicago, idolatrado musical que completa 25 anos na Broadway neste ano, e uma nova produção de Lackawanna Blues, uma peça autobiográfica de Ruben Santiago-Hudson. 

E logo virão outros: Six, um novo musical que deveria estrear na mesma noite em que a Broadway fechou, começa uma segunda rodada de prévias na sexta-feira, 17. American Utopia, de David Byrne, inicia temporada de retorno na mesma noite, e outros 28 shows estão programados para começar antes do final do ano.

Em jogo, está a saúde de uma indústria que, antes da pandemia, vivia um boom sustentado. Durante a última temporada completa da Broadway antes do surto, de 2018 a 2019, 14,8 milhões de pessoas assistiram a um show - isso é mais que a assistência combinada dos jogos de New York Mets, Yankees, Rangers, Islanders, Knicks, Liberty, Giants, Jets, New Jersey Devils e Brooklyn Nets, segundo a Broadway League. E essa participação se traduziu em dinheiro real - a indústria arrecadou US$ 1,83 bilhão naquela temporada. Nesta que se inicia, com certeza será diferente: a Liga está tão preocupada com a receita que decidiu não divulgar o faturamento de bilheteria nesta temporada.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.