Crica Richter
Crica Richter

‘A História de Nós 2’, uma comédia romântica sobre amor e separação

Alexandra Richter e Mouhamed Harfouch reestreiam no Teatro Porto Seguro

Eliana Silva de Souza, O Estado de S.Paulo

10 de outubro de 2019 | 19h01

A vida a dois é sempre uma luta diária de superação de conflitos, desde os mais simples até os mais complicados. Há os casais que conseguem passar por essas fases de atritos e ter um casamento duradouro, mas há os que não conseguem, e daí a saída é mesmo a separação. Segue nessa linha a peça A História de Nós 2, com Alexandra Richter e Mouhamed Harfouch, que reestreia nesta sexta, 11, para uma curta temporada no Teatro Porto Seguro, em São Paulo.

Com texto de Lícia Manzo e direção assinada por Ernesto Piccolo, a comédia romântica traz o casal Edu (Mouhamed) e Lena (Alexandra), que está se separando e, ao se encontrar, começa a fazer um balanço do tempo em que os dois passaram juntos, lembrando detalhes positivos e negativos da relação. 

Depois de longa temporada no Rio de Janeiro e de fazer apresentações em diversas cidades pelo Brasil, a peça está de volta à capital paulista e, segundo a protagonista, é um espetáculo que tem grande conexão com o público. “O grande sucesso da peça veio pela identificação imediata do público. Os casais ficam se cutucando durante o espetáculo. Alguns nos procuram dizendo ‘igualzinho lá em casa’ ou ‘vocês salvaram meu casamento’, e se divertem com isso”, afirma a atriz. Para ela, essa reciprocidade vem muito da força do texto. “A Alícia tem essa capacidade de olhar pelo buraco da fechadura. As pessoas dizem que parece que foi colocado um gravador na casa deles”, revela Alexandra. 

Na história, a separação não ocorre porque o amor tenha acabado, mas em decorrência da falta de atenção aos detalhes do dia a dia. “Eles chegaram a esse ponto por causa das várias facetas criadas pelo tempo. No início, era o Edu e a Lena, que estão apaixonados e os detalhes de cada um não fazem diferença, pois no início tudo são flores”, explica a atriz. Com o passar do tempo, nasce o filho, que leva ao surgimento de uma nova faceta. “É aí que surge a Mami, focada na maternidade, histérica, assexuada, exausta, e o Duca, a faceta boba dele. Agora já são quatro facetas vivendo sob o mesmo teto”, avisa Alexandra. E aparece então, no final, a terceira etapa, com a entrada de Maria Helena e Carlos Eduardo, que prenuncia o fim da relação, com os dois focados na carreira sem dar a menor importância para o casamento.

A conclusão, para Alexandra, é que uma relação pode acabar não por culpa de um ou de outro, mas pelo fato de que ambos não deram conta de administrar essas várias facetas que foram invadindo o casamento. “Por exemplo, quando Edu quer namorar a Lena, quem surge é a Mami, com fralda pendurada no ombro, irritada, sem clima”, conta. 

O espetáculo vai sendo contado por meio da narração dos personagens ou com a inclusão de flashbacks, mostrando situações do cotidiano. “Bacana é quando a gente está narrando, aí gente fala, ‘ah, no início tudo são flores’, e a minha personagem fala, ‘mais ou menos, tenho uma amiga que diz que os problemas já estavam lá e a gente é que não quis perceber’”, conta. 

A atriz comenta que a peça tem muito de real, o que propicia essa conexão com o público, pois mostra situações que ocorrem com todo mundo. Por isso, diz Alexandra, o espetáculo serve como alerta, para que, em uma relação, um olhe mais para o outro. “Na peça, logo no começo, a gente entra já conversando com a plateia, dando tom intimista, falando de casamento, relacionamento. E tudo que é mostrado é muito do cotidiano das pessoas, com as coisas que vão minando o relacionamento e a gente não percebe a tempo”, afirma a atriz.

Difícil quem não se veja de alguma forma em A História de Nós 2, que coloca em cena aqueles mínimos detalhes que, após anos de relacionamento, passam a ser motivo para discussões e desentendimentos. “Essa comédia romântica tem vários momentos emocionantes, como no começo, quando eu estou no apartamento encaixotando as coisas dele e ele aparece do outro lado desencaixotando em sua nova casa”, diz a atriz. A força das palavras surge em momentos seguidos. É o caso da cena na qual o personagem de Mouhamed reflete sobre a situação e diz “ela não precisava de mim”. Eis que a personagem de Alexandra fala: “Eu precisava tanto dele”; ou ele: “A gente transava pouco”; e ela: “A gente transava muito”. 

Segundo Alexandra, nesse momento, “começa a diferença entre o que um quer e o outro quer”. Para ela, hoje em dia, mais do que nunca, nos tornamos seres multifacetados. 

“Às vezes acabamos dando mais peso para uma coisa que para outra, carreira, filhos, vida pessoal, essa é a dificuldade de manter o relacionamento, porque vamos passando por várias fases na vida. Óbvio que a gente muda, em cada momento é uma demanda diferente. Mas não devemos deixar esses ‘invasores’, esses obstáculos entrarem na relação”, afirma.  

Resultado do sucesso do texto de Lícia Manzo, a peça será transformada em filme, ainda sem data de estreia, mas com projeto em andamento.  Alexandra afirma que esse é um trabalho que tem um significado muito grande para ela, pois “é responsável pela minha tranquilidade financeira”. 

Mas tem um outro trabalho que, para a atriz, é também muito importante para sua carreira, que é a montagem solo Uma Loira na Lua. “Trata-se de um espetáculo em homenagem a Lucille Ball, e é um divisor de águas na minha vida”, conta Alexandra, que comenta ainda que retornará com seu monólogo em breve por aqui. “Fiquei a cara dela, é incrível”, afirma.

A HISTÓRIA DE NÓS 2 

Teatro Porto Seguro. Al. Barão de Piracicaba, 740. Tel. 3226-7300.

6ª e Sáb., 21h, dom., 19h. R$ 45/ R$ 100. Até 27/10.

 

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

#tbt 2004 meu 1° monólogo Uma loira na lua . Voltarei com a " loira " em breve.

Uma publicação compartilhada por Alexandra Richter (@alexandrarichteroficial) em

 


 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.